No menu items!
23 C
Rio Branco
quinta-feira, dezembro 3, 2020

Quenisson, policial penal que atirou na cabeça da mulher, começa a ser julgado, em Rio Branco

Últimas

Nicolau Junior parabeniza Ronald Polanco pela presidência do Tribunal de Contas do Acre

O presidente da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), deputado Nicolau Júnior (Progressistas), em nome da mesa diretora e todos os deputados, parabenizou o novo...

Bocalom, o todo poderoso da vez, não emplaca o Produzir Para Empregar se não quiser

O jornalista Altino Machado e o ex deputado Luiz Calixto lembram o invejável rol de apoiadores de Bocalom, em comentários bem festejarmos na rede...

Ismael Tavares pode ser o novo presidente do Podemos em Rio Branco.

Filiado no PODEMOS-AC, Ismael Tavares é o preterido do Vereador eleito Arnaldo Barros para presidente do diretório municipal do partido em Rio Branco. Ele...

Inimigo da educação: Bolsonaro enfraquece Fundeb e professores ficarão sem reajuste em 2021

A Portaria interministerial 3, do governo Bolsonaro, que altera a gestão do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos...

“ Musa Fitness do crime” volta às redes sociais, cita Deus, vira ré e fica frente a frente com juiz

Presa em flagrante no dia 26 de agosto deste ano pelo crime de tráfico de drogas, Ivanna Alencar de Souza, que ficou conhecido como...

Começou por volta das 8h30 da manhã desta terça-feira, 3, o julgamento do Policial Penal Quenisson Silva de Souza, acusado de matar a esposa com um tiro na cabeça. A sessão ocorre na 1ª Vara do Tribunal do Júri do Fórum Criminal, em Rio Branco.

Quenisson foi denunciado pelo crime de homicídio por motivo fútil, com o agravante de feminicídio e violência doméstica. Erlane Cristina de Matos morreu no pronto socorro, após ser atingida com um tiro na cabeça. O crime aconteceu no dia 11 de março deste ano na residência do casal.

Consta na denuncia que após uma acirrada discussão Quenisson pegou a arma, uma pistola ponto 40 de propriedade do Iapen, e atirou na cabeça da esposa. Depois ele acionou o SAMU. A tese da defesa do policial Penal é que o disparo foi acidental. O promotor Carlos Pescador disse que vai pedir a condenação do agente de segurança.




- Advertisement -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui