No menu items!
22.3 C
Rio Branco
segunda-feira, junho 21, 2021

Com alta de mortes por covid, Manaus deve instalar câmaras frigoríficas em cemitério

spot_img

Últimas

A prefeitura de Manaus, capital do Amazonas, deve voltar a instalar câmaras frigoríficas no cemitério Nossa Senhora Aparecida, onde são realizados a maior parte dos rituais fúnebres da região. As estruturas serão destinadas ao armazenamento de corpos que não puderam ser enterrados de imediato, devido à alta demanda causada pela covid-19.

No domingo (10) foi registrado recorde no número de enterros diários. Foram 144 corpos, terceiro dia consecutivo de patamares superiores a 100. A média diária de velórios subiu quase 90% nos quinze dias entre a última semana de dezembro e a primeira de janeiro. Somente no sábado (8), 235 pessoas foram hospitalizadas, maior patamar já alcançado.

Manaus tem recorde de internações com covid-19 e beira o colapso

As afirmações sobre a instalação de câmaras frias em um dos maiores cemitérios da cidade foram divulgadas pelo secretário municipal de Limpeza Urbana de Manaus, Sabá Reis, em entrevista a uma emissora de TV local.

Na ocasião, ele foi enfático ao dizer que a capital amazonense não voltará a ter covas coletivas, como aconteceu no primeiro pico elevado de contaminações que a região enfrentou no ano passado.

Até esta segunda-feira (11), o Amazonas registrou mais de 5,7 mil óbitos por causa da covid-19. O coronavírus já infectou 216 mil pessoas na região. Na primeira semana epidemiológica do ano, que se encerrou no dia 4 de janeiro, o estado teve o segundo maior número de novos atingidos pela doença desde os primeiros infectados. Foram mais de onze mil novos pacientes.

Só houve registro de patamar superior em maio de 2020, período de maior agravamento da crise sanitária no Amazonas até agora. Na semana passada, o número de mortes também voltou a se equiparar aos registrados nos piores momentos. Foram 344 casos fatais, quarto pior número observado desde fevereiro.

Cenário crítico também em outros estados

O agravamento da pandemia na primeira semana epidemiológica de 2021 não foi observado apenas no Amazonas. Outros estados brasileiros também deram saltos consideráveis nos números de contaminados e óbitos. Em São Paulo, o período teve registro de mais de 72,5 mil novos pacientes. Cenário pior só havia sido relatado duas vezes em julho e agosto. O total de mortes chegou a quase 1,5 mil no período.

Doria propôs cortar investimento em ciência em três ocasiões durante a pandemia

Minas Gerais teve recorde absoluto de pessoas que receberam o diagnóstico da covid-19, com mais de 38,5 mil casos. Até então, o pior registro havia ocorrido na segunda semana de dezembro e estava abaixo de 30 mil. Após mais de três meses, a soma de casos fatais voltou a ficar acima de 500 no estado.

Entidades lançam carta de apoio ao fechamento de atividades não essenciais em BH

O número de mortes por semana está acima de 450 há duas semanas no Rio Grande do Sul. Os patamares registrados são muito próximos ao recorde do estado, que foi de 494 mortes em sete dias, registradas também na segunda semana de dezembro.

Ainda na região Sul, no mesmo período, o Paraná apresentou os piores números de contaminados e óbitos já observados, 52 mil e 741 respectivamente.

Mais de 95% da população do RS está sob alto risco de contaminação por covid-19

No Rio de Janeiro, a pandemia do coronavírus escalou de maneira preocupante. Entre 29 de dezembro e 4 de janeiro foram mais de 24 mil novos casos, registro mais expressivo desde a identificação dos primeiros pacientes. O total de mortes ficou acima de mil na semana, o que não acontecia desde junho.

Expansão no Brasil e no mundo

O Brasil registrou 25.822 casos da covid-19 somente nesta segunda-feira (11), segundo dados do Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Com isso, o total de infectados desde o início da pandemia é de 8.131.612 no país. O número de óbitos confirmados em 24 horas foi de 480. Mais de 203 mil vidas já foram perdidas para o coronavírus em território nacional.

No mundo todo, a doença já atingiu mais de 90 milhões de pessoas, segundo dados da Universidade Johns Hopkins, que monitora a pandemia globalmente. O total de mortes está acima de 1,9 milhão. O Brasil é o segundo país com maior número absoluto de óbitos do planeta, atrás apenas dos Estados Unidos.

Saiba o que é o novo coronavírus

É uma vasta família de vírus que provocam enfermidades em humanos e também em animais. A Organização Mundial da Saúde (OMS) indica que tais vírus podem ocasionar, em humanos, infecções respiratórias como resfriados, entre eles a chamada “síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS)”.

Também pode provocar afetações mais graves, como é o caso da Síndrome Respiratória Aguda Severa (SRAS). A covid-19, descoberta pela ciência mais recentemente, entre o final de 2019 e o início de 2020, é provocada pelo que se convencionou chamar de “novo coronavírus”.

Como ajudar quem precisa?

A campanha “Vamos precisar de todo mundo” é uma ação de solidariedade articulada pela Frente Brasil Popular e pela Frente Povo Sem Medo. A plataforma foi criada para ajudar pessoas impactadas pela pandemia da covid-19. De acordo com os organizadores, o objetivo é dar visibilidade e fortalecer as iniciativas populares de cooperação.

Do G1

Nara Lacerda
Brasil de Fato | São Paulo (SP)

Edição: Leandro Melito




- Advertisement -spot_img

Mais notícias