No menu items!
23 C
Rio Branco
domingo, abril 11, 2021

Grupo coordenado por Perpétua Almeida comemora anúncio da tecnologia 5G em todo o país; deputada exige preço acessível à população pobre

spot_img

Últimas

A deputada federal Perpétua Almeida (PCdoB) comemora a implementação do 5G Standalone, conhecido como 5G puro, em 20 pontos no Brasil neste ano e em todas as capitais até julho de 2022. A parlamentar acreana, coordenadora de um grupo de trabalho da Câmara dos Deputados que trata da implantação da tecnologia no Brasil, presidiu, nesta terça-feira, audiência pública em que o ministro Fábio Farias (Telecomunicações) confirmou a boa notícia, fruto de intensa agenda política para viabilizar o serviço.
A deputada, porém, levantou preocupação com a gestão do serviços. “Fizemos um esforço enorme para garantir esta tecnologia. O Congresso estará vigilante e o Tribunal de Contas da União vai agir também. Vamos exigir segurança e acessibilidade total à população brasileira, inclusive com preços que os cidadãos possam pagar. O nosso olhar é o olhar das pessoas”, declarou a deputada. “Todo encarecimento dos serviços não poderão ser transferidos ao usuário”.

“O edital do leilão do 5G foi aprovado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) no dia 25 de fevereiro. O documento foi enviado para análise do Tribunal de Contas da União (TCU) e deve voltar à Aneel em 60 dias”, informou a deputada. No vídeo abaixo, a audiência presidida pela deputada, por meio de videoconferência.

Faria reforçou que o governo tem compromisso com a celeridade nas etapas do leilão do 5G, mas sem abrir mão das opções mais modernas disponíveis em se tratando de tecnologia, publicou o site IstoÉDinheiro.

Questionado pelos deputados sobre as tecnologias que a comitiva brasileira conheceu em empresas na Finlândia, na Suécia, no Japão e na China, o ministro respondeu que, durante a missão, pode conhecer uma grande diversidade de aplicações práticas do 5G e chegou a conhecer o 6G, tecnologia que ainda está em fase inicial de testes.

Entre as aplicações práticas do 5G, Faria citou para os parlamentares a importância do 5G para atender a indústria, que vai possibilitar o avanço da Internet das Coisas no país. Na indústria, o ministro exemplificou que o 5G vai facilitar o monitoramento de toda a cadeia produtiva, do campo até a prateleira do supermercado.

“É muito mais do que um aumento de potência e velocidade. Serão cem vezes de aumento e teremos uma redução muito grande na latência, o que vai permitir a um médico na capital federal operar um paciente na Amazônia. Outro exemplo está nos veículos. Nossos filhos vão poder ir à escola em um carro ou ônibus sem motorista e, para isso, precisamos do 5G standalone, que é o 5G puro”, disse Faria.

O ministro também explicou sobre as obrigações que as empresas que vencerem o leilão no Brasil precisarão cumprir. O Ministério das Comunicações definiu em portarias quais serão as obrigações a serem obedecidas pelas empresas que vencerem o leilão do 5G. Para expandir a conexão no Brasil, o ministério definiu que todas as localidades com mais de 600 habitantes devem receber, no mínimo, o sinal de 4G, assim como 48 mil quilômetros de rodovias federais estratégicas para o escoamento da produção agropecuária, industrial e mineral brasileira.

De acordo com regras estabelecidas pelo ministério, também haverá investimento no programa Norte Conectado, estimado em R$ 1,5 bilhão, que atenderá cerca de 10 milhões de habitantes da região.

Rede privativa

Os deputados também quiseram saber como está sendo pensada a rede exclusiva do governo, que também será oferecido ao Congresso Nacional, ao Supremo Tribunal Federal e à Procuradoria-Geral da República para que possam tratar de dados sigilosos ou sensíveis com total segurança.

“É como se todos nós tivéssemos nosso telefone normal, e os servidores de Brasília que trabalham no Congresso, no Executivo, no Supremo teriam um aparelho, e as informações sensíveis, que tenham algum tipo de risco se forem adquiridas por outros países, seriam preservadas”, disse o ministro.

Faria explicou que tanto a empresa que vai construir, como a que vai operar a rede privativa, deverão respeitar as regras do mercado acionário brasileiro. Entretanto, a chinesa Huawei não preenche os requisitos para participar da rede privativa de 5G do governo brasileiro. Segundo Faria, a Huawai não teria interesse em participar especificamente do projeto da Rede Privativa

 

 




- Advertisement -spot_img

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui