No menu items!
23 C
Rio Branco
domingo, abril 11, 2021

Macacos com falta de ar no Acre: governo manda vacinar comunidades do interior contra febre amarela

spot_img

Últimas

A morte de macacos levou a direção do Plano Nacional de imunização no Acre determinar que as prefeituras de Acrelândia e Plácido de Castro façam uma busca ativa e vacinem todas as pessoas que estão sem receber o imunizante contra a febre amarela nos dois municípios.

Ainda não saiu o laudo do departamento de zoonoses apontando a causa da morte dos macacos na área rural de Plácido de Castro na semana passada, mas tudo indica que os animais morreram em virtude da febre amarela.

Segundo a diretora do PNI no Acre, Renata Quiles, onde o vírus está presente os macacos são os primeiros a sentir e para eles a doença é fatal.
Mesmo sem o resultado, a direção no Acre do plano nacional de imunização quer fazer a cobertura vacinal em Plácido de Castro e Acrelândia para evitar um surto. Os dois municípios ficam próximos a área onde um caçador encontrou um bando de macacos que agonizava com dificuldades de respirar, no qual dois deles estavam mortos.
Segundo a coordenadora será feita a atualização vacinal. “Quem não tiver comprovação de que tomou o imunizante e tiver a idade de 1 e 59 anos vai ter que tomar a vacina”, determinou.
O último caso registrado de febre amarela no Acre foi em 2019, e foi justamente em Plácido de Castro considerada uma região endêmica. As prefeituras já foram alertadas e devem preparar a medicação, fazer a busca ativa em seus municípios e aplicar as doses o mais urgente possível.
O Acre é um dos estados com a pior cobertura vacinal de febre amarela em todo pais. No geral chega a alcançar apenas 62% do público. Em Plácido de Castro, na região onde foram encontrados os macacos mortos, a cobertura é de 55% e Acrelândia 69,90%.
Nas contas do PNI, 305 pessoas precisam tomar a vacina em Plácido de Castro e 179 em Acrelândia. “Só quando alcançar esse público é que o risco de um surto de febre amarela estará descartado na região”, preveniu a coordenadora.
Obrigatoriamente a criança deve tomar a primeira dose para proteção contra a febre amarela aos 9 meses de vida e tomar um reforço aos 4 anos de idade. Segundo a direção do PNI muitas mães relaxam com essa vacina e deixam a criança desprotegida. “Se a pessoa tomou a dose na fase adulta não precisa se preocupar, o organismo está protegido”, garantiu Quiles.
A febre amarela apresentar os seguintes sintomas: dores nos olhos, na cabeça, febre e pode matar.




- Advertisement -spot_img

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui