No menu items!
22.3 C
Rio Branco
segunda-feira, junho 14, 2021

Rocha leva “gabinete do ódio” e amigos para hotel de Rondônia e assessor de Mara ataca Gladson na ponte. Quem pagou essa conta?

spot_img

Últimas

Um homem que se disse ex-assessor da deputada Mara Rocha se aproximou de Gladson Cameli, na sexta-feira, durante a inauguração da ponte sobre o Rio Madeira, para tentar constranger o governador. Uma terceira pessoa gravou o encontro, que teria sido premeditado, com a finalidade de extrair informações que desgastassem a gestão. Cameli foi questionado sobre supostas promessas não cumpridas, parou para atender o rapaz, que não ficou sem respostas. Ele tem uma parente nomeada no Iapen, cargo dado pelo vice-governador. E reivindicava um emprego, por ter trabalhado na campanha passada, embora não tenha esclarecido as circunstâncias de sua saída do gabinete da deputada.

O governador reafirmou o seu compromisso em salvar vidas, lembrou que o enfrentamento à pandemia é prioridade máxima, e que outras questões pessoais não estão nos planos do governo. “Eu não brinco com vidas”, disse. E foi aplaudido ao dizer que “a campanha é só ano que vem. Eu vou ser governador de vocês por mais quatro anos”.

Nem Mara, nem o seu irmão, o vice governador, prestigiaram a solenidade. Mas Major Rocha passou direto, sobre a nova ponte, após a dispersão da multidão, rumo a Porto Velho. Na SW4 com placas do Governo do Acre, Rocha levava quatro pessoas, entre elas uma suposta blogueira. A turma ficou hospedada no Oscar Hotel Executive.

O vice-governador permaneceu trancado no apartamento 302, em companhia de um assistente de produção amador, que agiu como cinegrafista. Ali ele gravou mais um vídeo, postado em sua rede social, promovendo ataques ao governo. O vídeo mostra a decoração padrão do Oscar Hotel Executive. Enquanto isso, os acompanhantes do vice-governador bebiam e se divertiam na piscina, no terraço do prédio.

O acjornal apurou que o vice-governador não teve agenda oficial em Porto Velho nesse final de semana para justificar possível uso indevido de dinheiro público com diárias, hospedagens, combustíveis, bebidas e alimentação.

A reportagem ligou para a recepção. O atendente passou a ligação ao apartamento 302, mas o hóspede Wherles Rocha não atendeu.

 




- Advertisement -spot_img

Mais notícias