No menu items!
21.3 C
Rio Branco
quarta-feira, junho 16, 2021

Em cesariana, médicos deixam gaze cirúrgico na barriga de mulher, em Rio Branco. “A senhora crê em Deus?”

spot_img

Últimas

A dona de casa Taíele Mesquita Pinto, 26 anos, foi submetida a dois procedimentos cirúrgicos de emergência em menos de três semanas, na Maternidade Barbara Heliodora, em Rio Branco (AC), no inicio deste mês – segundo ela devido à negligência da equipe médica que lhe atendeu anteriormente.

A primeira cirurgia teria sido para o nascimento do bebê, quando Taíele já não tinha mais resistência física. Os médicos, diz ela, insistiram que a mulher deveria devia dar à luz por parto normal.

A segunda cirurgia de emergência ocorreu duas semanas depois para a retirada de uma compressa cirúrgica (gaze) que a primeira equipe médica teria esquecido dentro da barriga dela.

Em conversa com o Acjornal a dona de casa confirmou que após a cesariana ela foi liberada. E ao chegar em casa, três dias depois, passou a sentir fortes dores abdominais e teve que voltar ao hospital em decorrência de um inchaço no tórax. Ela foi levada direto para o centro cirúrgico.

“Ao termino da cirurgia, o médico que me atendeu a segunda vez perguntou se eu acreditava em Deus. Eu olhei para ele e percebi que ele estava com um monte de gazes podres na mão. Eu respondi que acreditava, sim. Ele então falou para eu agradecer a Deus porque aquilo que a equipe medica anterior tinha esquecido dentro de mim iria me matar se eu demorasse mais uns três dias para ser operada”, relatou a dona de casa.

Taíele passou mais uma semana em observação medica e depois recebeu alta hospitalar, novamente, para continuar a recuperação em casa, ao lado do esposo e dos outros três filhos, todos menores de idade.

Até a publicação dessa reportagem, nossa equipe ainda não havia conseguido contatar a direção do hospital para falar sobre o caso.

Dona Taíele aguarda, apenas, melhorar um pouco mais para poder ir até o Ministério Publico Estadual e denunciar a maternidade Barbara Heliodora à Vara da Saúde publica por negligencia.

OBS: Ouça o áudio completo da paciente sobre o caso




- Advertisement -spot_img

Mais notícias