ACRE

Cruzeiro do Sul registra dois casos suspeitos de varíola dos macacos e deixa Saúde em alerta

Published

on

A Vigilância Epidemiológica de Cruzeiro do Sul monitora dois pacientes com suspeitas de terem contraído a varíola do macaco. São duas mulheres. Uma delas teve contato com um estrangeiro. A paciente apresenta lesões na pele. A segunda paciente é irmã dela.

As mulheres deram entrada na UPA de Cruzeiro do Sul na última segunda-feira, 27. Foi coletado material para análise no laboratório central.

Rafaela Oliveira, chefe da Vigilância Epidemiológica, disse que as pacientes serão monitoradas. Ela pontuou que os casos suspeitos serão informados ao Ministério da Saúde.

Com estes dois casos, o Acre registra três casos suspeitos da doença, sem confirmação.

 

Noticias da Hora

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Governo Federal entra com ação no STF contra política de ICMS dos estados para redução no preço do diesel
Advertisement

ACRE

Saúde do Acre notifica raiva humana em paciente de Cobija, na fronteira

Published

on

A Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre), por meio da Secretaria Municipal de Saúde de Brasileia, informou nesta terça-feira, 16, o registro de um caso de raiva humana, na cidade fronteiriça de Cobija, na Bolívia. O paciente está em coma e não tem antecedentes de mordedura de cão ou gato. A infecção foi diagnosticada na quinta, 11.A doença é caracterizada por sintomas neurológicos em animais e seres humanos. O vírus multiplica-se no local da lesão, migra para o sistema nervoso e, a partir daí, para diferentes órgãos, principalmente para as glândulas salivares, sendo eliminado pela saliva. Circula em ambientes domésticos, em animais como cães e gatos, também em raposas, morcegos, cavalos e vacas e é transmitido principalmente por meio de mordidas e arranhões ou de lambidas de mucosas e pele lesionada.

A chefe do Centro de Informações Estratégicas da Vigilância em Saúde (Cievs) da Sesacre, Débora dos Santos, ressalta que, em caso de suspeita de raiva, é fundamental a comunicação para acompanhamento e análise. No caso de uma possível infecção, a pessoa deve ir a uma unidade de saúde o mais rapidamente possível para o primeiro atendimento.

Leia Também:  Indígena do AC é preso suspeito de bater e manter em cárcere privado servidora pública do PR em aldeia

“Quem avalia é o profissional de saúde, que está amparado por um protocolo que vai verificar se o animal tem histórico de vacinação e se é agressivo, entre outros fatores”, informa.

Trabalho preventivoEm Brasileia, nesta segunda-feira,15, iniciou-se a campanha de vacinação antirrábica para cães e gatos.

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI