destaque2

Editorial: por que a Comunicação do Governo Gladson é decadente

Published

on

O governador Gladson Cameli precisa refletir muito antes de escolher seu novo secretário de Comunicação. E deve pensar nisso já, sem permitir o fogo amigo que parte, sem dúvida, da sua ante sala.
Cometerá outro erro – ainda mais grave, no último ano de gestão, o que é pior – se optar por alguém cuja postura será a de mero gestor de verba publicitária. Não basta ser gente boa aos olhos dos jornalistas e jornais. É preciso pulso, ter visão política, alinhamento com o jeito do governante pensar e agir.
Se não pensar politicamente, não serve.
Deve ter capacidade de se antecipar às críticas, e possuir, acima de tudo, intuição aguçada. Conhecer cada aliado. Ser maquiavélico com os inimigos, sem, necessariamente, ser desonesto e antiético.
Isto é política!
Alguém capaz de montar uma força tarefa para abastecer os deputados preguiçosos da base de apoio com informações pontuais.
Fazer esses caras entenderem que todos estão no mesmo barco.
Incitar cada político a defender as boas práticas políticas realizadas até aqui. Combater as fakes, as ilações, as chantagens, repudiar as tentativas de tomar o poder a qualquer custo.
Aperrear os secretários, cobrar deles informações que, lá na frente, calarão os críticos.
Botar o povo como prioridade.
É inadmissível o governo levar porrada de imbecis analfabetos políticos durante as sessões da Aleac.
Não estou generalizando.
Mas…
Felizmente, a oposição é composta por antas e asnos.
Um secretário de Estado deve ir além de um CPF emprestado ao serviço público.
Assinar papel, produzir notinhas de esclarecimento, gerenciar redação e monitorar a distribuição de releases…ah, isso até estagiário faria com esmero.
Tem obrigação de ser líder, cobrar resultados de seus comandados, botar essa ruma de gente dentro da Secom para PRODUZIR e DEFENDER seu empregador – e seu salário gordo.
Sabe…
Não há governo mais democrático com a imprensa do que esse.
Gladson jamais foi censor.
jamais censurou ou amordaçou os profissionais da mídia.
Usa a crítica e as denúncias como subsídio para moralizar a administração pública. E isso é bom.
Alguém pra me desmentir?
Esse vazio na Secom faz do governador marqueteiro do seu próprio governo. É ele quem termina cumprindo o papel que cabe, em parte, à sua assessoria de comunicação.
Gladson tem infinitas preocupações e precisa de um secretário alinhado com seu jeito de governar.
Há quem avente dois nomes:

Leia Também:  Sem nada para fazer vice-governador atiça manifestantes ao invés de mediar acordo

EDVALDO SOUZA

Não tem perfil para o cargo. Seu lugar é no estúdio da Rádio Difusora Acreana. Lá ele ajuda mais anunciando às selvas as medidas acertadas do governo. Foi deputado, nada produziu no parlamento, está desinformado da conjuntura e não possui entrada com as bancadas e líderes políticos de hoje.
Chega de envaidecimento pessoal e populismo barato.

 JEFSON DOURADO

Seria outra barrigada para o cargo de secretário.
Talvez ajudaria como reforço no segundo escalão da Secom.
É outro que, apenas e tão somente, gerenciaria a redação da Agência de Notícias. Está bitolado no decadente padrão Globo, que torna seus funcionários subserviente ao jornalismo pacífico e não os prepara para a crítica. Basta assistir o jornal da TV Acre, uma peça de pouco mais de 10 minutos cheia de manequins e informações sonolentas.
Além disso, Jefson não viveu a campanha política, as propostas do governador e os 3 anos desse governo. É como entrasse no jogo sem treinar, faltando 30 minutos para acabar a partida com o time precisando fazer milagre.
Também não precisamos de bibelôs.
Deixo meus respeitos ao Rutemberg Crispim. Um cara decente, íntegro, família.
E creio que, da parte do governador, esse sentimento é franco também.
Mas faltou-lhe o traquejo político necessário para conduzir a comunicação do Estado.
COMUNICADOR DEVE SER TAMBÉM ARTICULADOR.
 

Leia Também:  Governo limita reajuste das taxas de foro em terrenos da União

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

destaque2

Lei que proíbe uso de fogos de artifício barulhentos em eventos no Acre é aprovada

Published

on

Com o objetivo de preservar tanto pessoas idosas, autistas e até o mesmo os animais, a lei que proíbe a venda e uso de fogos de artifícios barulhentos em eventos no Acre foi aprovada na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac) nesta terça-feira (12).

O PL, de autoria do deputado estadual Pedro Longo em coautoria com a deputada Meire Serafim, foi apresentado na semana passada e apreciado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e em seguida levado a plenário.

“Esse projeto atende a demanda de muitas famílias que têm pessoas autistas, enfermos e também daquelas entidades que fazem o resgate de proteção aos animais, já que além das pessoas com maior sensibilidade, os animais também sofrem muito com estes fogos com estampido, acabam fugindo, se sequelando e muitas vezes morrendo. Então, é um projeto com uma grande relevância social e, agora, esperamos que rapidamente o governador Gladson Cameli sancione para que se torne lei”, disse o deputado.

Na lei aprovada, é dado um prazo de 60 dias para os comerciantes que trabalham neste ramo se adequarem à nova lei assim que ela for sancionada.

Leia Também:  Policial assume erro e governo pede desculpas por gás lacrimogêneo em Desfile da Independência

Por G1

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI