BRASIL

Celular de técnico de informática morto em São Gonçalo sumiu

Published

on

source
Bruno Jardim Longobuco, de 33 anos
Reprodução redes sociais: 24.06.2022

Bruno Jardim Longobuco, de 33 anos

O telefone celular do técnico de informática e manutenção de impressoras Bruno Jardim Longobuco, de 33 anos, morto com três tiros, na noite desta quarta-feira, no Bairro Jardim Catarina, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, não foi encontrado com a vítima e teria desaparecido logo após o crime ter acontecido. A informação foi revelada por Lucilene Longobuco, irmã de Bruno, durante o velório do seu irmão, que foi sepultado nessa quinta-feira, no Cemitério Parque da Paz, em São Gonçalo.

O técnico de informática foi atingido por disparos no pescoço, tórax e barriga. Ao ser ferido, Bruno estava usando uniforme da empresa que trabalhava e dirigia o carro do seu patrão. De acordo com a família do técnico de informática, a mulher de Bruno precisa do telefone onde há dados pessoais da vítima . “Até agora não encontramos o celular dele. A gente não conseguiu recuperar o celular do meu irmão. A esposa dele precisa do aparelho por questão de dados, por questões bancárias e a gente não conseguiu recuperar. Ainda não chegou nas mãos da esposa ou de alguém da família. A gente não sabe onde está o celular dele. Que estava junto com ele (na hora do crime)”, disse Lucilene Longobuco.

Procurada para falar sobre o desaparecimento do telefone celular, a Polícia Civil não comentou a denúncia feita pela família da vítima, se limitando apenas a dizer que diligências estão sendo feitas para esclarecer todos os fatos. O caso está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí. A especializada tenta descobrir, entre outras coisas, de onde partiram os disparos que mataram Bruno.

Leia Também:  Alesp inicia plantio de árvores para compensar gases do efeito estufa

Segundo a Polícia Militar, um carro descaracterizado do 7º BPM (Alcântara) foi alvo de disparos feitos por bandidos na mesma rua em que Bruno foi morto, na hora que o crime ocorreu. De acordo com a PM, os militares do serviço reservado desembarcaram do veículo para se proteger, mas não chegaram a revidar os disparos. Bruno passava pela Avenida Doutor Albino Imparato no momento em que uma viatura do serviço reservado da Polícia Militar foi cercada e alvejada por criminosos. Os dois veículos foram atingidos pelo para-brisa traseiro. De acordo com informações do 7º BPM (São Gonçalo), não houve troca de tiros. Após os disparos cessarem, Bruno foi encontrado morto no veículo. Os policiais não ficaram feridos e teriam se protegido atrás de postes.

A Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo foi acionada e fez a perícia no local. Lucilene Longobuco disse que a família ainda tenta saber porque Bruno foi direcionado para ir ao Jardim Catarina após o fim do horário normal do expediente. “Estamos trabalhando para tentar entender isso. Queremos ajuda da Justiça para saber. Ele estava uniformizado dirigindo o carro do patrão. Queremos entender porque foi pedido para ele ir numa área de risco”, disse. Mais cedo, Lucilene também já havia questionado o fato ao ser entrevistada no “Bom Dia Rio”, da TV Globo: “”Por que o meu irmão estava num local que tem confronto? Por que ele foi direcionado para lá, após o horário de trabalho? Ele não estava utilizando nem o carro dele, nem o carro da empresa. Ele estava utilizando o carro do patrão dele”. Descrito pela irmã como um pai apaixonado e muito agarrado à filha, Bruno foi morto dois dias depois da criança completar oito meses. “Meu irmão era exemplar. Era um pai apaixonado pela filha que completou oito meses havia apenas dois dias. O sonho dele era assistir a filha crescer. Fazia planos para isso. Infelizmente ele não conseguiu isso”, concluiu Lucilene.

Leia Também:  Policiais que atiraram na Cracolândia são identificados

Veja abaixo a íntegra da nota Polícia Militar sobre o caso “A Assessoria de Imprensa da SEPM informa que, nesta quarta (22), de acordo com equipe do 7° BPM (São Gonçalo), um homem foi encontrado morto por disparos de arma de fogo em seu carro na Av. Dr. Albino Imparato, no Jardim Catarina. A autoria e motivação do crime são desconhecidas. A área foi isolada e a Delegacia de Homicídios da região acionada.Cabe esclarecer que uma equipe do 7ºBPM que estava em uma viatura descaracterizada relatou ter sido alvo de disparos na mesma via, e desembarcou do automóvel para se abrigar, e que não houve confronto. Cessados os disparos, foi verificado que a viatura havia sido atingida. A equipe seguiu para a 74ªDP, onde foi informada sobre a existência de uma vítima de homicídio no local. Em seguida, os policiais dirigiram-se para a Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí.” Abaixo, a íntegra da nota da Policia Civil sobre o caso “As investigações seguem na Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSG), que realiza diligências em busca de informações que ajudem a esclarecer todos os fatos”

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

BRASIL

Delegado que prendeu Milton Ribeiro é exonerado do setor da PF que investiga políticos

Published

on

O delegado Bruno Calandrini, chefe do inquérito que apura suposto tráfico de influência no Ministério da Educação e Cultura (MEC), foi exonerado do setor da Polícia Federal responsável por investigar autoridades com foro privilegiado.

Segundo nota divulgada nesta terça-feira (28) pela PF, Calandrini vai a continuar à frente das investigações sobre suspeitas fraudes no MEC.

A PF informou que foi o próprio Calandrini quem pediu, ainda em maio, para deixar o cargo que ocupava na Coordenação de Inquérito nos Tribunais Superiores.
A troca foi formalizada no dia 16 de junho, antes da operação que prendeu o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, de acordo com a PF.

Segundo a Polícia Federal, Bruno Calandrini vai agora coordenar a Unidade Especial de Investigação de Crimes Cibernéticos “presidindo trabalhos investigativos sensíveis daquela unidade”.

Calandrini havia denunciado a colegas da PF, em mensagem interna, que sofreu interferência na execução da operação em que o ex-ministro foi preso (vídeo abaixo).

Segundo o delegado, houve “decisão superior” para que Ribeiro não fosse transferido para Brasília, conforme determinação judicial emitida na quarta-feira por um juiz federal.

Leia Também:  Irmão de Rodrigo Mussi relembra fala de mãe: 'Quero você morto'

Em razão da “decisão superior”, escreveu o delegado, ele deixou de ter “autonomia investigativa e administrativa para conduzir o Inquérito Policial deste caso com independência e segurança institucional”.

“Falei isso ao Chefe do CINQ [Coordenação de Inquérito nos Tribunais Superiores, da Polícia Federal] ontem, após saber que, por decisão superior, não iria haver o deslocamento de Milton Ribeiro para Brasília e manterei a postura de que a investigação foi obstaculizada ao se escolher pela não transferência de Milton a Brasília à revelia da decisão judicial”, escreveu o delegado na mensagem.

De acordo com o delegado, foram concedidas ao ex-ministro “honrarias não existentes na lei”.

“O principal alvo, em São Paulo, foi tratado com honrarias não existentes na lei, apesar do empenho operacional da equipe de Santos que realizou a captura de Milton Ribeiro, e estava orientada, por este subscritor, a escoltar o preso até o aeroporto em São Paulo para viagem a Brasília”, escreveu.

Nota da PF

Leia abaixo a íntegra de nota divulgada pela Polícia Federal:

Após tratativas iniciadas ainda no mês de maio do corrente ano, no dia 15/6/2022 houve a movimentação formal do DPF Calandrini para a DRCC/CGFAZ/DICOR/PF, onde irá coordenar a Unidade Especial de Investigação de Crimes Cibernéticos – UEICC presidindo trabalhos investigativos sensíveis daquela unidade.

Leia Também:  TJD-ES pune técnico com 200 dias de suspensão por agressão à árbitra

O próprio servidor manifestou interesse (ainda no mês de maio) em ser movimentado para a nova unidade, para onde irá apenas no mês de julho, permanecendo na presidência da Op. Acesso Pago (IPL do MEC) e outros inquéritos da CINQ/CGRCR/DICOR/PF.

Concomitantemente, foi procedida a movimentação de outro DPF para repor a saída do DPF Bruno Calandrini da CINQ.

Coordenação-Geral de Comunicação Social

 

Globo News

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI