BRASIL

Corpos de Dom e Bruno serão entregues às famílias nesta quinta-feira

Published

on

source
O indigenista Bruno Araújo e o jornalista Dom Phillips
Reprodução – 06/06/2022

O indigenista Bruno Araújo e o jornalista Dom Phillips

A Polícia Federal informou que os corpos do  jornalista inglês Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira serão entregues às suas famílias nesta quinta-feira. Os restos mortais estão previstos para deixar o aeroporto de Brasília às 14h. De acordo com o Comitê de Crise, criado para investigar o caso, os exames de DNA foram concluídos e os resultados confirmaram que os restos mortais encontrados na cena do crime são de Phillips e Pereira .

“As amostras biológicas apontaram a presença de 02 (dois) Perfis Genéticos distintos nos remanescentes humanos encontrados pela Perícia da Polícia Federal. Os resultados encontrados estão em consonância com as análises de Odontologia Legal, da Antropologia Forense e da Papiloscopia que apontaram tratar-se dos remanescentes de Dom Phillips e Bruno Pereira”, diz a nota da Polícia Federal.

No domingo, a Polícia Federal (PF) informou que subiu para oito o número de suspeitos de envolvimento com as mortes — três deles já foram presos durante as investigações sobre o caso. De acordo com a polícia, mais cinco homens que ajudaram a ocultar os corpos de Bruno e Dom na mata foram identificados. A polícia, porém, não informou os nomes.

Último a ser preso, Jeferson da Silva Lima, conhecido como “Pelado da Dinha”, confessou em depoimento à Polícia Civil que estava na cena do crime, mas negou ter atirado contra Bruno e Dom Phillips.

Os outros dois presos, que também estão na carceragem da delegacia, são os irmãos Amarildo da Costa Oliveira, o “Pelado”, e Oseney da Costa de Oliveira, o “Dos Santos”. Segundo o superintendente da PF do Amazonas, Eduardo Alexandre Fontes, Pelado confessou ter cometido o crime. Dos Santos, por sua vez, teria negado a participação no crime, versão em que os policiais não confiam.

Leia Também:  MG: acidente com 'carreta furacão' deixa duas pessoas mortas

Os cinco fazem parte do grupo de pescadores ligados a Pelado e podem ser da comunidade de São Rafael, de acordo com investigadores. A ocultação de cadáver é um crime mais leve, com pena de 1 a 3 anos de prisão. De acordo com essa fonte, os assassinatos teriam sido cometidos num dia e os corpos oculados e o barco afundado no dia seguinte.

“As investigações continuam no sentido de esclarecer todas as circunstâncias, os motivos e os envolvidos no caso. Os trabalhos dos peritos do Instituto Nacional de Criminalística continuam em andamento para completa identificação dos remanescentes humanos e compreensão da dinâmica dos eventos”, diz a nota da PF.

Segundo as apurações, Pelado e os outros suspeitos presos faziam parte de um grupo de pesca e caça ilegal de animais vetados por lei, como pirarucus, tracajás e tartarugas, no Vale do Javari — região onde há a maior presença de indígenas isolados e a segunda maior reserva indígena do país. O suspeito já havia sido citado em denúncias feitas por Bruno e a Unijava (União dos Povos Indígenas do Vale do Javari), remetidas às autoridades.

Há indícios de que o esquema de pesca e caça ilegal seria custeado pelo narcotráfico e usado para lavar dinheiro. O Vale do Javari se situa na tríplice fronteira entre Brasil, Peru e Colômbia. A região é conhecida por fazer parte da rota da cocaína e skunk, que são produzidos nos países andinos e enviados ao Brasil para abastecer o mercado interno e externo.

Leia Também:  Vereador Raimundo Neném é o alvo da PF nesta terça; buscas e apreensões são feitas na casa da família

Desde o início das investigações, testemunhas relataram terem visto Pelado e outras duas pessoas em uma embarcação indo atrás de Bruno e Dom no rio Itaquaí, que faz parte da bacia do Alto Solimões.

Exames feitos no Instituto de Criminalística da PF, em Brasília, concluíram que Bruno levou três tiros, um na cabeça e dois no tórax; e Dom, um no abdômen.

Sem mandante, diz PF Na manhã de sexta-feira, a Polícia Federal afirmou que os suspeitos de envolvimento no desaparecimento do indigenista Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips agiram “sem mandante nem organização criminosa por trás do delito”, segundo indicam as investigações. A PF diz também, no entanto, que mais prisões devem acontecer, dado existirem indícios da participação de outras pessoas no crime.

Ainda segundo a nota, as buscas pela embarcação da dupla, que teria sido afundada por Pelado, que confessou o assassinato dos dois, continuam nesta sexta-feira, com apoio dos indígenas da região e dos integrantes da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari. A entidade contesta a versão de que não houve mandante.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

BRASIL

Apesar de redução na violência, Brasil é o 8º país mais letal do mundo

Published

on

Apesar de queda em mortes violentas, Brasil é oitavo país mais letal do mundo
FreePik

Apesar de queda em mortes violentas, Brasil é oitavo país mais letal do mundo

O Brasil registrou 47.503 mortes violentas intencionais (MVIs) em 2021, o que representou uma queda de 6,5% em relação ao ano anterior. O perfil das vítimas segue o mesmo de levantamentos passados: negros (77,9%), com idade entre 12 e 29 anos (50%) e do sexo masculino (91,3%). A ampla maioria das mortes (76%) foram com emprego de arma de fogo.

Os dados são inéditos e estão no 16º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado na manhã desta terça-feira, 28. Por mortes violentas intencionais, entende-se a soma das vítimas de homicídio doloso, latrocínio, lesão corporal seguida de morte e mortes decorrentes de intervenções policiais em serviço e fora.

Em 2017, o Brasil teve um pico de violência, com taxa de 30,9 mortes violentas para cada grupo de 100 mil habitantes. Os anos seguintes foram de reduções sucessivas. Em 2020, entretanto, a taxa apresentou um repique e chegou a 23,8 casos por 100 mil habitantes. Em 2021, caiu para 22,3.

Apesar da queda, o Brasil é o país com maior número absoluto de homicídios do planeta e ocupa a posição de oitavo país mais violento do mundo, de acordo com ranking da UNODC, o escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. Com 2,7% da população do planeta, responde por 20,4% dos 232.676 homicídios registrados em 2020 em 102 países pelo órgão.

“Temos um cenário no Brasil de violência extrema, com cidades com taxas altíssimas de mortes violentas e o crescimento de vários tipos de roubos e casos de estelionatos”, ressaltou Renato Sérgio de Lima, diretor do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

“Tudo isso mostra que essa pequena redução, apesar de ser uma boa notícia, está longe de fazer com que o Brasil seja um país mais seguro, com menos violência.”

A redução das mortes não ocorreu de forma homogênea entre os estados, como detalhou o documento do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Seis das 27 unidades da federação registraram aumento no número de mortes violentas entre 2020 e 2021: Amazonas (46,8%), Amapá (30,2%), Piauí (10,3%), Rondônia (8,8%), Roraima(5,8%) e Bahia (0,2%). Quatro desses estados estão na região Norte, a única do país que apresentou um crescimento (7,9%) das MVIs.

Leia Também:  Justiça nega pedido de transferência de julgamento de Flordelis

Não há uma única causa capaz de explicar a tendência de queda das mortes violentas intencionais no Brasil, segundo Lima. A primeira hipótese, amplamente documentada no atual levantamento do Fórum, é a composição da estrutura demográfica da população brasileira.

Entre 2004 e 2020, o Brasil registrou uma diminuição do número de adolescentes e jovens de 10 a 19 anos e uma estabilidade daqueles entre 20 a 29 anos, grupos com risco elevado de mortalidade por homicídio.

A segunda explicação, diz Lima, diz respeito às políticas públicas de prevenção à violência, com foco nos modelos de integração policial. Diversos estados brasileiros adotaram, entre 2000 e 2010, programas de redução de homicídios em territórios mais críticos, que buscaram integrar ações policiais e medidas de caráter preventivo. Além disso, houve investimentos significativos na modernização da gestão das polícias e a adoção de novas tecnologias e sistemas de inteligência.

Por fim, houve um rearranjo recente na dinâmica do crime organizado ligado ao narcotráfico, em especial no Norte e no Nordeste. Entre 2016 e 2017, as facções com base prisional paulista e carioca travaram uma guerra sem precedentes, que resultou numa explosão de mortes alastradas por todos os estados. Uma trégua posterior entre esses grupos ajudou a apaziguar os conflitos e conter os assassinatos.

Governo ineficaz

Lima ressalta que a queda nas mortes poderia ter sido maior se o governo federal tivesse implementado o Sistema Único de Segurança Pública, o Susp, instituído por lei em junho de 2018, depois de 14 anos de tramitação, em resposta ao pico de violência nos anos anteriores.

O Susp tem a intenção de integrar as ações dos estados, estabelecer a cooperação e dar mais eficiência à área, contribuindo para a criação de mecanismos de monitoramento da política nacional de segurança pública.

O corte de recursos para a segurança pública promovido pela gestão Bolsonaro, segundo Lima, foi outro fator que impediu uma melhoria do cenário de violência.

Leia Também:  Carol Proner: Ela vem chegando

Em 2018, o governo federal alterou as regras das Loterias da Caixa para que a segurança pública obtivesse também os repasses oriundos dessas apostas. Assim, além do recurso orçamentário, a área passou a receber verbas das loterias.

No último ano, entretanto, o governo Bolsonaro optou por financiar o repasse aos estados do Fundo Nacional de Segurança Pública exclusivamente com os recursos das loterias.

“O governo tirou o dinheiro da segurança para fazer outra coisa. Na política pública, não atuou”, opinou Lima. “O quadro geral é perverso, de descontrole. O governo abriu mão de priorizar a segurança, e deixou por conta do acaso.”

Lima refuta o argumento do bolsonarismo segundo o qual a recente flexibilização do acesso a armas e munições no Brasil contribui para a redução das mortes violentas.

Segundo o Atlas da Violência, publicação do Fórum em parceria com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, a velocidade do crescimento dos assassinatos no país do início dos anos 1980 até 2003, ano em que foi sancionado o Estatuto do Desarmamento, era 6,5 vezes maior do que a que passou a vigorar no período subsequente.

Os homicídios continuam a ser cometidos principalmente com o emprego de armas de fogo. Não fosse pela política de controle de, o aumento da violência letal teria sido ainda maior do que o observado.

“O tempo de liberação, de 2019 para cá, é pequeno para fazer testes mais robustos e fidedignos das contribuições da arma de fogo para a redução das mortes. Se houvesse de fato esse efeito, estados com crescimento grande de armas, como o Amazonas, teriam tido queda das mortes. E não foi o que aconteceu”, disse Lima.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Nacional

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI