BRASIL

Rio: Visões sobre segurança e saúde opõem candidatos a governador

Published

on

Candidatos ao governo do Estado do Rio de Janeiro
Reprodução/Instagram @claudiocastrorj @marcelofreixo @rodrigoneves_rj @pauloganime

Candidatos ao governo do Estado do Rio de Janeiro

Em meio ao aprofundamento de problemas históricos do estado, a eleição deste ano ao governo do Rio representará uma espécie de troca de pele na política fluminense: é a primeira em que os principais candidatos construíram suas trajetórias já neste século, durante as eras Garotinho e Cabral.

O atual governador, Cláudio Castro (PL), e as candidaturas de Marcelo Freixo (PSB) , Rodrigo Neves (PDT) e Paulo Ganime (Novo) participam da corrida pelo Palácio Guanabara com propostas divergentes para questões como a ameaça de colapso do sistema de transporte público estadual, o avanço de mortes em operações policiais, a crise no modelo de Organizações Sociais (OSs) na área da saúde e a defasagem escolar, aprofundada na pandemia da Covid-19.

Em comum, todos os quatro ocuparam seus primeiros cargos públicos a partir de 1998, numa era marcada por problemas judiciais para chefes do Executivo estadual. Todos os cinco governadores eleitos desde então ou foram presos, ou não concluíram o mandato.

Castro, de 43 anos, assumiu o governo interinamente em agosto de 2020 com o afastamento do então titular, Wilson Witzel , pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). Witzel, que tenta registrar nova candidatura neste ano, pelo PMB, embora esteja inelegível, sofreu impeachment em maio do ano passado.

A gestão Castro começou no mesmo dia do leilão de concessão dos serviços de saneamento da Cedae, cuja arrecadação de R$ 22,6 bilhões tornou-se um dos principais ativos do atual governo — e fonte também de acusações de uso eleitoreiro de recursos, agravadas com a revelação do  esquema de cargos secretos da fundação Ceperj, que movimentaram R$ 226 milhões.

Sem experiência prévia no Executivo e com apenas um mandato de vereador no Rio, Castro usou os cerca de 15 meses à frente do governo para anunciar programas de grande porte — como o Pacto RJ, conjunto de obras orçadas em R$ 17 bilhões, e o Cidade Integrada, que prevê R$ 500 milhões em ações sociais e de segurança — e montar uma aliança de 14 partidos.

Um desses apoios é do MDB, que tem o ex-prefeito de Duque de Caxias, Washington Reis, como vice na chapa. Ele foi alvo de pedido de impugnação esta semana , feito pela Procuradoria Eleitoral, que o considera inelegível por uma condenação por crime ambiental em 2016.

Leia Também:  Vereador de Rio Branco alvo da PF vai a BH aprender mais sobre improbidade administrativa e Lei Anticorrupção

Freixo, deputado federal, de 55 anos, e Neves, ex-prefeito de Niterói, de 46, disputaram suas primeiras eleições no fim da década de 1990, e ganharam projeção ao chegarem à Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) em 2007. Corria à época o governo Sérgio Cabral, sucessor das gestões do casal Anthony e Rosinha Garotinho. Ganime, de 39 anos, estreou na política se elegendo à Câmara em 2018.

Antes da posse de Witzel, ex-juiz federal vitorioso em sua estreia nas urnas em 2018, o ex-governador Luiz Fernando Pezão (MDB) tornou-se o quarto governador eleito sucessivamente a ser preso, todos em investigações envolvendo corrupção. Garotinho e Rosinha foram presos em diferentes ocasiões entre 2016 e 2019; Cabral segue em prisão preventiva desde 2016.

Caveirão em alta

No governo Castro, em que pese a queda de homicídios, o número de mortes decorrentes de intervenção policial, que vem subindo desde 2014, atingiu um pico de 1.356 no ano passado.

O número só fica atrás dos índices registrados em 2018, ano em que houve intervenção federal na segurança do Rio, e 2019, recorde histórico, com 1.814 mortes. Em 2020, mesmo com uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que restringia operações policiais em favelas, houve 1.245 óbitos desse tipo.

O estado tem registrado ainda a expansão de territórios com presença de milícias. Em 2020, o estudo Mapa dos Grupos Armados do Rio apontou que um em cada três moradores da capital fluminense vivem em bairros controlados por grupos milicianos. Na Região Metropolitana, o índice é de 29%.

Em seus planos para a segurança, os quatro candidatos disseram ao GLOBO ser favoráveis ao uso do caveirão em operações policiais em favelas. Neves e Ganime disseram que o veículo deve ser usado “para proteção dos policiais”. O candidato do PDT ponderou ainda que operações “não são a melhor nem a principal estratégia” da política de segurança. Freixo afirmou que o caveirão deve ser usado “quando houver necessidade”, conforme “protocolo de ação policial”.

Em relação à recriação da secretaria estadual de Segurança Pública, extinta no governo Witzel — que deu status de secretaria às polícias Militar e Civil —, apenas Neves se disse favorável.

Leia Também:  Bancada do Acre boicota presença de Gladson em reunião de logo mais com ministro da Saúde

Na Saúde, o modelo de OSs na gestão hospitalar — pivô do afastamento de Witzel— causa maiores divisões entre os candidatos. Castro afirma ser contra o modelo: “Desde que assumi, venho trabalhando para reduzir a participação das OSs, por entender que é um modelo que não favorece o controle do estado”.

Neves também respondeu não considerar as OSs o melhor caminho, embora admita usar o modelo em parte da rede, desde que haja o “acompanhamento dos contratos com transparência”. Freixo disse haver “OSs que funcionam bem e aquelas que não funcionam”, e defendeu um programa de contratação de médicos e enfermeiros pelo governo.

Tarifa mais cara

Freixo, Neves e Ganime defenderam, na área de mobilidade urbana, a adoção de subsídio estadual para redução do preço da passagem de modais como trem e metrô. O Rio é o único estado que repassa integralmente o custo da tarifa aos usuários. A chamada “tarifa social”, com valor reduzido, só se aplica hoje para usuários do Bilhete Único Intermunicipal nas barcas e quando fazem a integração entre dois modais.

A tarifa do metrô, de R$ 6,50, é a mais cara do país. A do trem foi congelada nos atuais R$ 5 até o fim do ano, mediante um acordo do governo com a Supervia que prevê o desembolso de R$ 251 milhões pelo estado como compensação de perdas na pandemia. Em 2021, o total de passagens comercializadas pela Supervia foi de 89 milhões, metade do índice de 2019 e abaixo também do número de 2020. O metrô teve cerca de 90 milhões de passageiros nos dois últimos anos, ante 194 milhões no pré-pandemia.

“O governo tem que garantir a redução da passagem. Esse incremento do subsídio será acompanhado de bilhetagem digital pública, garantindo transparência e controle”, afirmou Freixo.

A educação também traz desafios. O desempenho da rede estadual no Ideb piorou entre 2015 e 2019, quando a nota do Ensino Médio foi 3,5 — quase 1 ponto abaixo da meta. No ano passado, seguindo uma tendência nacional, a taxa de conclusão escolar aos 19 anos também caiu, para 63,7%.

“Vamos reabrir e modernizar os CIEPs abandonados. O déficit de aprendizagem decorre também da ineficiência do governo”, disse Neves.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Nacional

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

BRASIL

TV Brasil conquista reconhecimento no Prêmio Sebrae de Jornalismo/RJ

Published

on

O programa jornalístico Caminhos da Reportagem, atração dominical da TV Brasil, foi agraciado com o 2º e 3º lugar na etapa Rio de Janeiro do 9º Prêmio Sebrae de Jornalismo (PSJ). O anúncio ocorreu durante solenidade na noite desta quinta (29) na capital fluminense.

As edições “Gastronomia da Solidariedade” e “Negócios de Impacto” foram classificadas na categoria Jornalismo em Vídeo e selecionadas para a decisão estadual. Com reportagem de Aline Beckstein, as duas matérias especiais reconhecidas entre as melhores produções na final foram realizadas pela equipe da emissora pública no Rio de Janeiro.

A premiação valoriza o trabalho da imprensa em prol do fortalecimento dos pequenos negócios. O objetivo é ratificar a relevância da cobertura e de notícias que conferem visibilidade à cultura empreendedora. O tema central deste ano é “A importância dos pequenos negócios para a economia do país”.

Apresentado originalmente em 13 de março de 2022, o episódio “Gastronomia da Solidariedade” garantiu a segunda colocação no prêmio. Com o título “Negócios de Impacto“, a outra pauta teve exibição na telinha em 14 de novembro de 2021. Os conteúdos estão disponíveis no app TV Brasil Play. O público também pode conferir as reportagens no site do canal e em suas redes sociais.

Leia Também:  Rio Branco: unidades de saúde não funcionarão no sábado e na segunda-feira

Sobre o prêmio

O Prêmio Sebrae de Jornalismo (PSJ) distingue as melhores notícias veiculadas em diferentes canais da mídia brasileira ou novas plataformas digitais sobre empreendedorismo e pequenos negócios. A iniciativa reforça o papel fundamental da imprensa para fortalecer e dar visibilidade aos pequenos negócios.

A nona edição do concurso recebeu mais de 1.100 inscrições. Conteúdos jornalísticos veiculadas entre os dias 1° de setembro de 2021 e 29 de junho de 2022 disputam a premiação.

Os trabalhos inscritos nas categorias de texto, áudio, vídeo e foto concorreram na etapa estadual. Os contemplados seguem no páreo em busca da vitória nas etapas regional e nacional.

As inscrições voltadas aos prêmios especiais têm apenas a seleção na etapa nacional. Os finalistas devem ser anunciados próximo à data da cerimônia nacional do 9º Prêmio Sebrae de Jornalismo (PSJ) que está prevista para ocorrer no dia 6 de dezembro, em Brasília.

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI