BRASIL

Viga de prédio em obras cai em carro e deixa mulher ferida em SP

Published

on

source
O acidente aconteceu próximo ao Túnel Max Feffer
Reprodução

O acidente aconteceu próximo ao Túnel Max Feffer

Uma viga de ferro caiu sobre um carro e feriu uma mulher de 29 anos, na manhã de sábado, na Avenida Cidade Jardim, zona Sul de São Paulo. A vítima, que é a motorista do veículo, teve fratura na região do tórax e foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros e encaminhada ao Hospital das Clínicas. Nas imagens, é possível ver que objeto de mais de um metro perfurou o teto do veículo.

O  major do Corpo de Bombeiros, Marcos Palumbo, disse ao GLOBO que por pouco uma tragédia maior não aconteceu.

“Essa viga caiu de um prédio em construção ao lado. Atingiu o carro e uma mulher de 29 anos que foi socorrida ao HC. Nasceu de novo, estava bem. A viga a atingiu de raspão nas costas.  Uma tragédia não aconteceu por centímetros”, ressaltou o militar.

Ainda de acordo com Palumbo, a polícia foi acionada para registrar o caso como lesão corporal.

Leia Também:  Mulher de jornalista inglês pede ações urgentes dos órgãos brasileiros

“A polícia foi acionada para registrar lesão corporal na DP. Acionamos também a Prefeitura para fazer as devidas autuações no local. Inadmissível acontecer isso em uma obra tão grande”, pontuou o militar do Corpo de Bombeiros.

Leia Também

No local acontecia uma obra do empreendimento Arborea Itaim, que tem como responsável a BN Engenharia. A empresa se manifestou sobre o acidente em nota oficial e diz que uma peça de escora caiu sobre a via e que prestará assistência à vítima ferida.

“Na manhã de hoje, acidentalmente uma peça de escora de uma de nossas obras caiu sobre um automóvel ferindo um dos ocupantes. Toda assistência está sendo dada pela nossa equipe. Neste momento, buscamos apoiar os envolvidos, atender os colaboradores, dar assistência às autoridades que apuram os fatos”

O caso foi registrado no 14º Distrito Policial da Capital e será enviado ao 15º DP.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

Fonte: link

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

BRASIL

Dom e Bruno: PF descarta envolvimento de suspeito que se entregou

Published

on

source
Suspeito de participar de morte de Dom e Bruno se entregou em SP na quinta-feira
Divulgação

Suspeito de participar de morte de Dom e Bruno se entregou em SP na quinta-feira

A Polícia Federal informou nesta sexta-feira que não há indícios de que Gabriel Pereira Dantas, que se entregou voluntariamente à Polícia Civil de São Paulo na última quinta-feira , tenha envolvimento nos assassinatos do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Philips. A informação é da Agência Brasil.

Ele afirmou ter participado das mortes e teve sua prisão temporária requerida pela Polícia Civil, mas a Justiça de Atalaia do Norte (AM), que está à frente do caso, indeferiu o pedido.

“Ainda na data de ontem, a referida pessoa foi encaminhada à sede da Polícia Federal em São Paulo para ser formalmente ouvida e prestar esclarecimentos sobre os fatos, mas optou por exercer seu direito constitucional de permanecer calado. Ele permanece em liberdade, tendo em vista que não há indícios de ter participado dos crimes ora em apuração, já que apresentou versão pouco crível e desconexa com os fatos até o momento apurados”, detalhou a PF, em nota à imprensa.

Leia Também:  Mulher dá versões desencontradas e atrapalha buscas ao marido que sumiu na floresta após overdose

Gabriel Pereira Dantas, de 26 anos, contou que viu quando os executores atiraram nas vítimas e que os ajudou a jogar os pertences delas no rio.

Ele alegou ter pilotado o barco usado pelos suspeitos no crime. No fim da tarde de quinta-feira, ele havia sido transferido para o 77º Distrito Policial para a Polícia Federal.


Bruno e Dom viajaram para o Vale do Javari, entre as cidades de Atalaia do Norte e Guajará, na tríplice fronteira Brasil, Peru e Colômbia, quando desapareceram no dia 5 de junho. A área possui 8,5 milhões de hectares demarcados, sendo a segunda maior terra indígena do país – a primeira é a Yanomami, com 9,4 milhões de hectares.

Segundo a Polícia Federal, a dupla foi perseguida por pescadores ilegais e assassinados. As vítimas teriam sido mortas a tiros e os corpos, esquartejados e enterrados. Três homens foram presos por suspeita de participação no crime:

Leia Também:  'Tempo é fator chave no resgate', diz família de ativista desaparecido

Dantas alegou à polícia que havia fugido do Amazonas e passado pelo estado do Pará e Mato Grosso, até finalmente chegar a São Paulo. Na nota, a PF afirma que as investigações do caso prosseguem.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI