Carros e Motos

Honda não se esqueceu dos motoboys e oferece uma série de treinamentos

Published

on

source
Treinamento prático na pista do CETH – Centro Educacional de Trânsito Honda
Divulgação

Treinamento prático na pista do CETH – Centro Educacional de Trânsito Honda

Motociclista, motoqueiro ou motoboy? Quem já viveu e respirou motocicletas nas últimas 5 décadas, certamente já ouviu todas essas referências, ou até outras mais, sobre aqueles que pilotam motocicletas.

Acho que antes disso, havia apenas os motociclistas . Meu avô, nos anos 30,era um deles. Meu pai, nos anos 50, também. Mas foi da boca dele que ouvi, pela primeira vez, o termo “motoqueiro”.

A gíria “motoca” se tornou muito popular no fim dos anos 60, usadas por personagens da televisão em novelas como “Beto Rockfeller” e “Assim na Terra como no Céu”. E foi daí que que surgiu o “motoqueiro”, que seria, no meu entender, o motociclista que ousava um pouco mais, para o bem ou para o mal.

Na minha pouca experiência, naquela época, eu cheguei a dizer que eu não era motociclista, mas sim motoqueiro , porque pilotava de uma forma mais arriscada. Vivendo e aprendendo, é claro que corrigi essas distorções no decorrer da minha carreira “motociclística”.

Estive, nesta semana, no CETH – Centro Educacional de Trânsito Honda –, em Indaiatuba (SP) para participar da cerimônia de início do treinamento de motociclistas selecionados pelo programa Motofretista Seguro, uma iniciativa do Governo do Estado em parceria com a Honda , e acabei relembrando da saga que essa categoria viveu desde o início, há mais de 40 anos. Como eu sei? Acompanhei de perto as várias fases dessa história.

Leia Também:  BMW mostra Série 3 renovado e com longa tela curva no painel

Antes dos motoboys , as motocicletas eram, em sua quase totalidade dos casos, meros instrumentos de prazer e diversão, uma vez que poucas pessoas as utilizavam para o transporte individual.

Os primeiros 10 motofretistas de um total de 400 que participam do curso
Divulgação

Os primeiros 10 motofretistas de um total de 400 que participam do curso

Até que alguém percebeu que a motocicleta era um meio muito fácil, rápido e barato, de locomoção profissional. No início, os motociclistas – ou motoqueiros? – que começaram a ganhar a vida com pequenas entregas em grandes centros urbanos , foram chamados de motoboys, uma referência a uma categoria que, creio eu, deve ter acabado por completo: os office-boys. Alguns amigos meus começaram a trabalhar nessa profissão.

Infelizmente, os primeiros anos da popularização desse serviço não foram bons para a imagem da categoria , que não era regulamentada e permitiu o ingresso de todos os tipos de pessoas, em especial aquelas que nunca prezaram pelos bons modos no trânsito.

Estes subiam em calçadas, assustavam os pedestres , circulavam na contra mão, agrediam os motoristas e, volta e meia, se reuniam em grandes grupos para praticar violência.

Felizmente, essa fase passou e, mesmo com essa face tão negativa da época, essa truculência ajudou a conscientizar os motoristas que, de um modo geral, insistiam em não respeitar as motocicletas e os motociclistas.

Não querer se “envolver” com esses problemas nas ruas fez com que esses motoristas passassem a prestar mais atenção ao mudar de faixa, fazer uma conversão ou, até, ao abrir a porta do carro com o trânsito parado.

Treinamentos incluem várias atividades para os motociclistas terem mais preparo e segurança nas ruas
Divulgação

Treinamentos incluem várias atividades para os motociclistas terem mais preparo e segurança nas ruas

Leia Também:  A ligação do automobilismo brasileiro com o mês de maio

Nunca esqueci do dia em que acordei para a realidade das ruas, quando os motoboys passaram a ser maioria nas ruas de São Paulo. Acostumado a circular sozinho, um dia desses estava esperando o semáforo abrir na Avenida Paulista, quando parou uma motocicleta ao meu lado, e outra, mais outra e, enfim, dezenas delas.

Parecia a largada de uma prova em Interlagos. Com a luz verde, eles partiram como se fossem tirar o pai da forca, com grande barulho de motores , fumaça de escapamento e disputas para ver que chegaria em primeiro lugar no semáforo seguinte. É, eles ainda melhorariam muito.

O programa Motofretista Seguro existe para isso, para melhorar ainda mais a segurança dessa categoria, que, comparando com aqueles velhos tempos, já melhorou espetacularmente, não só na segurança como também nas condições de trabalho.

De motoboys, que praticamente só levavam e traziam documentos, passaram a entregar objetos de todos os tipos, em especial itens de alimentação. De entregadores de pizza nos fins de semana, hoje transportam o almoço de grande parcela da população, além de compras efetuadas pelos meios eletrônicos.

A pandemia que vivemos nos últimos dois anos foi decisiva para a consolidação dos motofretistas , que mostraram a todos que eles foram fundamentais para que boa parte da vida diária das pessoas pudesse continuar sem maiores atribulações.

Foi no evento desta semana, que iniciou o programa de treinamento de 400 motofretistas, que aprendi mais um termo de referência a esses profissionais, que eu ainda não havia escutado: motocas. Então, minhas homenagens aos motocas, sem os quais muitos de nós, inclusive os motociclistas , não poderíamos viver com tanta comodidade.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

Carros e Motos

Drone da Wingcopter obtém certificação para serviços delivery nos EUA

Published

on

source


Drone da Wingcopter pode voar até 5.000 m de altitude e atingir uma velocidade final de 144 km/h
Divulgação

Drone da Wingcopter pode voar até 5.000 m de altitude e atingir uma velocidade final de 144 km/h

A Wingcopter, empresa alemã especializada na fabricação de drones anuncia  que a FAA (Federal Aviation Administration) -Administração Federal de Aviação  emitiu os Critérios de Aeronavegabilidade de Classe Especial para suas aeronaves eVTOL (decolagem e pouso elétrico) para uso em operações comerciais regulares nos EUA.

A certificação obtida pela maior agência de transporte do governo dos EUA – que regula todos os aspectos da aviação civil no país, bem como nas águas internacionais circundantes – possibilitará o drone realizar qualquer tipo de serviços de entrega no mercado norte-americano; e é um passo importante no processo de certificação de qualquer aeronave não tripulada.

A empresa alemã solicitou o Certificado de Tipo de Classe Especial em 2020 e sua recente emissão permite que se concentre nos requisitos da FAA para receber a certificação o mais rápido possível.

Leia Também:  Vendas de veículos usados têm alta de quase 30% em março

Quando isso acontecer, o drone poderá voar em rotas convencionais mesmo em áreas povoadas nos Estados Unidos. Ao mesmo tempo, a certificação ajudará a Wingcopter a ganhar uma reputação ainda melhor e apoiará seus esforços de certificação também em outras áreas, como Japão ou Brasil.

O Wingcopter 198 , que é o principal drone de entrega da empresa, é uma aeronave autônoma com sistema de queda tripla, que permite fazer três entregas separadas para vários locais, tudo com uma única carga. O drone usa o rotor de inclinação patenteado do fabricante que possibilita decolar e pousar verticalmente, eliminando a necessidade de estrutura adicional.

Com uma envergadura de 198 cm, o drone pode voar em altitudes de 16.400 pés (5.000 m). Ele pode atingir uma velocidade final de 144 km/h e sua autonomia depende da carga útil que ele precisa transportar. Com pequenas cargas de até 1 kg, por exemplo, ele pode voar por 95 km por carga, enquanto uma carga maior de 5 kg o manterá no ar por até 75 km .

Leia Também:  Honda investirá US$ 40 bilhões em veículos elétricos até 2030
Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI