ECONOMIA

Deputado líder dos caminhoneiros diz que auxílio diesel é ‘deboche’

Published

on

source
Nereu Crispium critica vale para categoria e chama medida do governo de 'esmola'
Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Nereu Crispium critica vale para categoria e chama medida do governo de ‘esmola’

Presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Caminhoneiro Autônomo e Celetista, deputado Nereu Crispim (PSD-RS), criticou o pagamento de um vale de R$ 400 para os caminhoneiros até o fim deste ano . A ideia é defendida por parlamentares com apoio do governo para minimizar os efeitos da  alta do diesel para esses profissionais.

“Isso não vai passar”, disse o deputado.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Ele lembrou que o Congresso votou a lei da liberdade econômica e agora quer beneficiar apenas um segmento da sociedade:

“Querem botar brete (lugar fechado para conter o gado para ser vacinado) assistencialista eleitoreiro Tabajara.”

O deputado destacou que um caminhoneiro gasta entre R$ 8 mil e R$ 10 mil com diesel para rodar de São Paulo (SP) a Alagoas (AL) e classificou o vale de esmola.

Leia Também:  Operação Apate desarticula associação criminosa que fraudava auxílio emergencial

“Essa gente propõe uma esmola que não paga a metade de uma recapagem de pneu! Nos respeitem! Isso é um deboche!” Para o parlamentar, a solução é criar um  fundo de estabilização de preços para contornar a alta no preço do combustível.

Segundo o parlamentar, esse fundo poderia ser abastecido por recursos que a União deixa de arrecadar com isenção fiscal. Ele citou o projeto protocolado nessa terça-feira (21), após deliberação com as lideranças dos caminhoneiros.

A proposta sugere ainda a divisão em percentuais de 50% do valor para a saúde, 30% para um fundo de estabilização dos combustíveis e 20% para um fundo de renovação de frota.


COMENTE ABAIXO:
Advertisement

ECONOMIA

Aneel mantém bandeira tarifária verde para julho

Published

on

source
Hoje, há 212 localidades isoladas do SIN, com consumo energético abaixo de 1%
Agência Brasil

Hoje, há 212 localidades isoladas do SIN, com consumo energético abaixo de 1%

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu acionar a bandeira verde no mês de junho para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). De acordo com a agência, dessa forma, não haverá cobrança extra na conta de luz no próximo mês.

É o segundo anúncio de bandeira verde realizado pela Aneel desde o fim da Bandeira Escassez Hídrica , que durou de setembro de 2021 até meados de abril deste ano. Em maio, a agência já havia acionado a bandeira verde . Segundo a Aneel, na ocasião, a bandeira verde foi escolhida devido às condições favoráveis de geração de energia.

Criadas em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica. Divididas em níveis, as bandeiras indicam quanto está custando para o SIN gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias.

Leia Também:  Deputado Alan Rick visita secretário Mauro Sérgio e reforça compromisso com a Educação no Acre

Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre qualquer acréscimo. Quando são aplicadas as bandeiras vermelha ou amarela, a conta sofre um acréscimos, que variam de R$ 1,874 por 100 quilowatt-hora (kWh) consumido a 9,492 por 100 kWh.

O Sistema Interligado Nacional é dividido em quatro subsistemas: Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. Praticamente todo o país é coberto pelo SIN. A exceção são algumas partes de estados da Região Norte e de Mato Grosso, além de todo o estado de Roraima.

Atualmente, há 212 localidades isoladas do SIN, nas quais o consumo é baixo e representa menos de 1% da carga total do país. A demanda por energia nessas regiões é suprida, principalmente, por térmicas a óleo diesel.

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI