ECONOMIA

Empreendedorismo cresce na pandemia; número de assalariados cai

Published

on

source
Empreendedorismo cresce na pandemia; número de assalariados cai
Redação 1Bilhão Educação Financeira

Empreendedorismo cresce na pandemia; número de assalariados cai

O agravamento da crise econômica em meio à pandemia de Covid-19 levou ao aumento substancial do chamado ‘empreendedorismo por necessidade’. Com a perda do emprego e, sem a conquista de novas oportunidades, milhares de brasileiros apostaram as fichas em empreendimentos próprios para compor a renda. É o que aponta a pesquisa Estatísticas do Cadastro Central de Empresas 2020, e foram divulgados nesta quinta-feira (23) pelo IBGE.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Enquanto 825,3 mil postos de trabalhos formais foram perdidos no país em 2020 frente a 2019, o número de empresas no país cresceu 3,7%, puxado pelo aumento da parcela de empresas sem pessoal assalariado que avançou 4,3% no período. Segundo pesquisadores, foi a primeira vez em treze anos de pesquisa que a queda no número de assalariados ocorreu simultaneamente a um aumento expressivo no número de empresas.

Houve um incremento de cerca de 227,3 mil empresas compostas apenas por sócios e proprietários, ou seja, sem a contratação de mão de obra assalariada, chegando a 7,3 milhões nessa condição. Já o número de empresas com assalariados amargou perda em todas as faixas: empresas com um a nove assalariados (-0,4%), 10 a 49 empregados (-5,3%), 50 a 250 pessoas (-2,3%) e mais de 250 pessoas (-1,0%).

Leia Também:  Número de mulheres no mercado de trabalho recua para o patamar de 2016

Segundo o IBGE, esse movimento pode ter sido ocasionado por demitidos que tentaram abrir seu próprio negócio ou por quem buscava compensar suas perdas de renda.

“É o chamado empreendedorismo por necessidade. E geralmente acontece em setores que demandam menos capital intensivo”, explica Thiego Ferreira, gerente da pesquisa.

No recorte por setor, a maior queda percentual de assalariados foi observada no segmento de alojamento e alimentação (-19,4%), retração recorde dessa atividade na série histórica iniciada em 2007. Em seguida aparece o setor de artes, cultura, esporte e recreação com recuo de 16,4%, também recorde na série histórica.

A pesquisa também mostra que o salário médio pago pelas empresas do país caiu 3% em 2020 frente a 2019, chegando a 2,9 salários mínimos. Já a massa salarial ficou em R$1,8 trilhão, recuando 6% frente a 2019, a maior queda na série histórica da pesquisa intensificada pela redução no número de assalariados.

Leia Também:  Criminosos usam número fake e pedem dinheiro em nome do prefeito de Cruzeiro do Sul

Medidas emergenciais voltadas ao emprego amorteceram redução de pessoal nas empresas

A pesquisa também mostra que, apesar dos duros impactos da pandemia, a redução de pessoal assalariado não foi a menor da série histórica. Enquanto em 2020 houve uma queda de 1,8% no pessoal ocupado, quedas maiores foram registradas há alguns anos durante a crise econômica. Em 2015, a retração dessa parcela foi de 3,6%, enquanto em 2016 foi de 4,4%.

De acordo com o IBGE, as medidas emergenciais anunciadas pelo governo durante o período mais duro da pandemia podem ter contribuído para amortecer a redução de pessoal nas empresas. É o caso do Programa de Manutenção de Emprego e Renda, que teve 9,8 milhões de trabalhadores beneficiados em 2020 e 517 mil empresas beneficiadas com liberação de R$ 37,5 bilhões.

O auxílio emergencial também contribuiu positivamente para conter a queda, já que permitiu a manutenção do consumo por parte de trabalhadores informais e deu alguma sobrevida às empresas. 

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

ECONOMIA

Aneel mantém bandeira tarifária verde para julho

Published

on

source
Hoje, há 212 localidades isoladas do SIN, com consumo energético abaixo de 1%
Agência Brasil

Hoje, há 212 localidades isoladas do SIN, com consumo energético abaixo de 1%

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu acionar a bandeira verde no mês de junho para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). De acordo com a agência, dessa forma, não haverá cobrança extra na conta de luz no próximo mês.

É o segundo anúncio de bandeira verde realizado pela Aneel desde o fim da Bandeira Escassez Hídrica , que durou de setembro de 2021 até meados de abril deste ano. Em maio, a agência já havia acionado a bandeira verde . Segundo a Aneel, na ocasião, a bandeira verde foi escolhida devido às condições favoráveis de geração de energia.

Criadas em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica. Divididas em níveis, as bandeiras indicam quanto está custando para o SIN gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias.

Leia Também:  'Dinheiro esquecido': greve no Banco Central adia consulta a novo lote

Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre qualquer acréscimo. Quando são aplicadas as bandeiras vermelha ou amarela, a conta sofre um acréscimos, que variam de R$ 1,874 por 100 quilowatt-hora (kWh) consumido a 9,492 por 100 kWh.

O Sistema Interligado Nacional é dividido em quatro subsistemas: Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. Praticamente todo o país é coberto pelo SIN. A exceção são algumas partes de estados da Região Norte e de Mato Grosso, além de todo o estado de Roraima.

Atualmente, há 212 localidades isoladas do SIN, nas quais o consumo é baixo e representa menos de 1% da carga total do país. A demanda por energia nessas regiões é suprida, principalmente, por térmicas a óleo diesel.

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI