ECONOMIA

IBGE: desemprego no Nordeste é o dobro da região Sul; veja o ranking

Published

on

source
Bahia lidera entre os estados com o maior índice de desemprego
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Bahia lidera entre os estados com o maior índice de desemprego

A taxa de desemprego ficou estável entre as regiões do país no primeiro trimestre deste ano, na comparação com o quarto trimestre do ano passado, mas persiste uma desigualdade no mercado de trabalho entre as regiões: a taxa de desemprego no Nordeste está em 14,9%. É mais que o dobro da taxa de desemprego registrada na região Sul no mesmo período, onde o indicador ficou em 6,5%.

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgada nesta sexta-feira pelo IBGE.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

Na média nacional, a taxa de desemprego ficou em 11,1% no primeiro trimestre deste ano, o que indica estabilidade. Ainda assim, falta trabalho para quase quase 12 milhões de brasileiros, conforme já divulgado pelo IBGE.

A única queda ocorreu no Amapá, cuja taxa recuou 3,3 pontos percentuais, passando de 17,5% no quarto trimestre de 2021 para 14,2% no primeiro trimestre deste ano.

Veja abaixo a taxa de desemprego por região:

  • Nordeste: 14,9%
  • Norte: 11,7%
  • Sudeste: 11,1%
  • Centro-Oeste: 8,5%
  • Sul: 6,5%
Leia Também:  Na tampa: Rio Branco terá até o fim do mês o dobro do que choveu nesses 14 dias

Na classificação por categoria de emprego, os estados do Amapá (35,9%), Amazonas (35,7%), Pará (34,6%) e Rondônia (32,4%) – todos da região Norte do país – concentraram os maiores percentuais de trabalhadores por conta própria.

Também foi verificado no Pará o maior percentual de trabalhadores informais (62,9%). Norte e Nordeste concentram os maiores percentuais dessas categorias profissionais.

Por outro lado, Sudeste (69,7%) e Centro-Oeste (71,0%) apresentaram maior participação de empregados. Santa Catarina (88,2%) foi o estado com o maior percentual de trabalhadores com carteira assinada no setor privado. Já no Maranhão (47,3%), menos da metade tinha a carteira assinada.

Na classificação por estado, a pesquisa mostrou que as maiores taxas de desemprego foram as da Bahia (17,6%), de Pernambuco (17,0%) e Rio de Janeiro (14,9%), enquanto as menores foram as de Santa Catarina (4,5%), Mato Grosso (5,3%) e Mato Grosso do Sul (6,5%).

Veja abaixo a taxa de desemprego por estado:

  • Bahia: 17,6%
  • Pernambuco:17%
  • Rio de Janeiro: 14,9%
  • Sergipe: 14,9%
  • Acre: 14,8%
  • Paraíba: 14,3%
  • Alagoas: 14,2%
  • Amapá: 14,2%
  • Rio Grande do Norte: 14,1%
  • Amazonas: 13%
  • Maranhão: 12,9%
  • Distrito Federal: 12,6%
  • Piauí: 12,3%
  • Pará: 12,2%
  • Brasil: 11,1%
  • Ceará: 11%
  • São Paulo: 10,8%
  • Minas Gerais: 9,3%
  • Tocantins: 9,3%
  • Espírito Santo: 9,2%
  • Goiás: 8,9%
  • Roraima: 8,8%
  • Rio Grande do Sul: 7,5%
  • Rondônia: 6,9%
  • Paraná: 6,8%
  • Mato Grosso do Sul: 6,5%
  • Mato Grosso: 5,3%
  • Santa Catarina: 4,5%
Leia Também:  Brasileiro bate recorde por trabalhar na mesma empresa por 84 anos

Rendimento médio só cresce em SP

A pesquisa também apontou que o rendimento médio real do trabalhador cresceu 1,5% no primeiro trimestre deste ano, em relação ao trimestre encerrado em dezembro, chegando a R$ 2.548. Na comparação interanual, porém, o rendimento segue 8,7% menor (R$ 2.789).

Somente as regiões Norte (R$ 1.985) e Sudeste (R$ 2.875) tiveram expansão significativa no rendimento médio na comparação com os últimos três meses do ano passado.

“Já entre as unidades da federação, embora tenha havido uma tendência de leve aumento em boa parte delas, o único estado que realmente teve aumento estatisticamente significativo foi São Paulo (R$ 3.107)”, destacou a coordenadora de Trabalho e Rendimento do IBGE, Adriana Beringuy.

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

ECONOMIA

Bolsonaro diz que reajuste de 5% para servidores não está definido

Published

on

source
Presidente Jair Bolsonaro (PL) em evento no Rio de Janeiro (RJ)
Alan Santos/PR

Presidente Jair Bolsonaro (PL) em evento no Rio de Janeiro (RJ)

Em live nesta quinta-feira (19), o presidente Jair Bolsonaro recuou e afirmou que o reajuste de 5% para servidores públicos de todo o país ainda não está definido. Em março, as alas política e econômica do governo concordaram com o reajuste para servidores federais. 

Bolsonaro reconhece que não dispõe de recursos suficientes para atender à demanda. “A gente se esforça para dar um reajuste, que eu sei que é pequeno para os servidores. Há uma sugestão, não está batido o martelo, vou deixar claro, de 5%. Isso equivale a mais cortes nos ministérios de R$ 7 bilhões”, disse. 

O presidente ainda afirmou que deve se reunir com os respectivos presidentes dos sindicados dos servidores para tratar sobre a questão.

“É 5% para todo mundo? Não atende à Polícia Rodoviária Federal para evitar que entrem em greve […] Agora, é triste falar isso aí. Tem gente que ganha no teto e quer mais reajuste. Se tivesse recurso, eu daria. Mas a proposta nossa, no momento, não temos como ir além. Estou no limite aqui”, disse Bolsonaro.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o perfil geral do Portal iG .

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI