ECONOMIA

MPT cobra Volkswagen em caso de trabalho escravo na década de 70

Published

on

Segundo denúncia, caso ocorreu nas décadas de 1970 e 1980
Divulgação Volkswagen

Segundo denúncia, caso ocorreu nas décadas de 1970 e 1980

O Ministério Público do Trabalho (MPT) fará nova reunião com a Volkswagen, agendada para 29 de novembro, para discutir a reparação da empresa em um caso de trabalho escravo ocorrido nas décadas de 1970 e 1980. A audiência realizada nesta quinta-feira (29) em São Paulo é a segunda sobre o processo.

De acordo com o procurador Rafael Garcia, a empresa negou responsabilidade sobre as situações de submissão de trabalhadores a condições degradantes de trabalho na Fazenda Vale do Rio Cristalino (Fazenda Volkswagen), no Pará.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal  iG

“A Volkswagen tinha o conhecimento pleno de tudo que acontecia na fazenda: primeiro, por ser a proprietária; segundo, porque o ingresso na fazenda e a permanência era de forma muito controlada pela gerência da propriedade. Ali entravam homens armados, tinha uma quantidade enorme de trabalhadores e a própria Volkswagen fazia o controle não só do trânsito de pessoas, mas também de como o serviço era produzido, aquela atividade que os trabalhadores desempenhavam, de derrubada das árvores, de formação do pasto”, disse Garcia à Agência Brasil.

Leia Também:  Comissão que investiga desaparecimento de Dom e Bruno pode definir plano trabalho na segunda-feira

Uma comissão do MPT foi formada após o recebimento, em 2019, de documentação impressa em que constavam as denúncias. O material foi reunido pelo padre Ricardo Rezende Figueira, que, à época, era coordenador da Comissão Pastoral da Terra (CPT) para a região do Araguaia e Tocantins da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Uma comissão do MPT foi formada após o recebimento, em 2019, de documentação impressa em que constavam as denúncias. O material foi reunido pelo padre Ricardo Rezende Figueira, que, à época, era coordenador da Comissão Pastoral da Terra (CPT) para a região do Araguaia e Tocantins da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Além do material reunido pelo padre da CPT, foram agregados ao processo novos documentos e oitivas de alguns dos trabalhadores escravizados.

“Os argumentos deles [da Volkswagen] são da natureza de negativa da responsabilidade de forma ampla, apresentando uma série de elementos que o Ministério Público entende que não se sustentam. O nosso entendimento é diverso e que, portanto, as investigações permanecem”, pontuou Garcia.

As reparações resultantes dessa investigação podem ser individuais e coletivas. “O Ministério Público do Trabalho trabalha com a esfera civil trabalhista. Então o que nós pretendemos é a reparação do dano e essa reparação de dano sempre tem a modalidade coletiva e individual. São esses os termos, claro que essa é uma discussão que ainda vai amadurecer”, explicou.

O procurador ressalta que o objetivo é reparar fatos históricos sobre o trabalho escravo no Brasil. Sobre o longo tempo para que o caso fosse levado à Justiça, Garcia lembra que o país vivia sob o regime militar. “Só é possível fazer o enfrentamento ao trabalho escravo, se nós estivermos em um ambiente de democracia plena, principalmente porque as instituições precisam estar fortalecidas para que o enfrentamento ocorra de forma contundente”, avaliou.

Procurada pela Agência Brasil, a Volkswagen informou que “não comenta processos em andamento”.


Fonte: IG ECONOMIA

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

ECONOMIA

Copa do Mundo: como funcionam os bancos em dia de de jogo?

Published

on

Entenda como deve funcionar as agências bancárias durante a próxima partida da Seleção Brasileira
Reprodução/Twitter

Entenda como deve funcionar as agências bancárias durante a próxima partida da Seleção Brasileira

Nesta sexta-feira (02), bancos, serviços e órgãos públicos devem funcionar com horários diferenciados devido a partida da Seleção Brasileira na Copa do Mundo no Catar.

A partida deve iniciar às 16h e, de acordo com a Febraban, os bancos irão fechar antes dos jogos. Entenda como devem funcionar as agências no dia da partida:

Para estados que adotam o fuso horário de Brasília, as agências bancárias devem funcionar entre as 9h às 14h. 

Já para outros lugares que possuem uma hora de diferença em relação ao horário da capital, como Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Roraima e grande parte do Amazonas, os bancos devem permanecer abertos das 8h às 13 horas da tarde. 

Leia Também:  Pacheco descarta impositividade de emendas de relator na LDO 2023

Estados que possuem duas horas de diferença, como o Acre e partes do estado do Amazonas,  os bancos devem permanecer abertos das 7h às 12h. 

Os canais digitais e remotos, como sites e o mobile banking devem funcionar normalmente durante a partida. 

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Fonte: IG ECONOMIA

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI