PELO MUNDO

Tortura e maus tratos no Exército: artigo revela perseguição contra militares que lutam na justiça

Published

on

Artigos publicados nos sites “OUTRASMÍDIAS” e “justicaeinsegurancapublica”, que republicaram textos de reportagem do Intercept Brasil com entrevista contundente feita junto a militares que atuaram em casos de tortura em quartéis e um advogado especialista em defender militares das Forças Armadas, demonstra que dentro da Força Terrestre pode existir uma espécie de perseguição contra militares que ousam pleitear na justiça direitos garantidos pela legislação brasileira e até sobre aqueles que – trabalhando em apurações internas – ousam ir contra praticas ilegais realizadas dentro da força, registrando em autos e sindicâncias aquilo que realmente aconteceu.
Em um dos casos tratados pelos artigos, um soldado teria sofrido tortura durante um acampamento militar sob o comando da 10ª Região Militar, em Fortaleza.

“humilhado, ele disse que não suportou e perdeu a consciência após uma tarefa na qual foi obrigado a rastejar mesmo tendo relatado estar se sentindo mal. Passou um mês internado com episódios de delírio e tentativa de suicídio. Ao sair do hospital, foi convocado a se apresentar de novo no quartel. Lá, teve um surto e foi contido a socos no rosto por cabos e soldados a mando dos comandantes do quartel… As ordens de tortura tinham anuência do comandante da 10º Região Militar à época… ”

E mais…

  “O militar responsável pela sindicância atestou a tortura contra o soldado, motivada por homofobia. Havia uma ordem interna que orientava recrudescer os maus-tratos para que “esse viadinho pedisse logo para ir embora”. O comando teria dito que não queria homossexuais no seu quartel.”

Segundo o Intercept o militar graduado que foi o responsável pela apuração dos fatos, a sindicância, por ter registrado nos autos que realmente houve maus tratos, acabou se tornando mais um perseguido.

A reportagem acende sinais de alerta, ouvidos pela Revista Sociedade Militar, advogados que lidam com o tema relatam que a coisa se torna ainda mais complicada na medida em que com frequência os oficiais do Exército distribuem condecorações para membros do Ministério Público Militar e Juízes Federais e isso acabaria tornando os membros da justiça cada vez mais próximos da oficialidade das Forças Armadas, o que impediria  – na sua visão – de existir o que na justiça chamam de equidistância entre as partes, que seria algo indispensável para que haja uma apuração realmente justa sobre os casos.
Segundo advogados ouvidos pelos sites, o Exército, assim como as outras duas Forças Armadas, mantém assessorias jurídicas que deveriam ter entre suas atribuições divulgar internamente as legislações, orientando os militares a não cometer abusos de autoridade Todavia, o que estaria ocorrendo é o contrário, as assessorias estariam sendo usadas para respaldar as perseguições.

 “Essas assessorias dão respaldo para perseguições formais”, diz o advogado e militar da reserva Cláudio Lino, presidente do Instituto Brasileiro de Análise de Legislações Militares, o Ibalm. “Se um militar entra na justiça comum, essa informação vai para o cadastro dele, e isso é usado como motivo para ele não ser promovido”, exemplifica Lino, que entrou no início de fevereiro com uma ação na justiça federal contra a quebra”

Infelizmente, segundo os textos, não se chegou a nenhuma conclusão sobre as responsabilidades em relação a tortura contra o recruta, chamado de “viadinho”. A própria justiça militar não teria pessoal suficiente para trabalhar de forma eficaz na proteção de um grupo tão grande de cidadãos-militares na ativa e reserva.

“O caso do recruta torturado com a sindicância alterada por oficiais no quartel de Fortaleza  gerou um inquérito no Ministério Público Militar, o MPM, que foi arquivado, segundo o 10º Comando. Com apenas 79 procuradores, subprocuradores e promotores distribuídos por 11 estados e o Distrito Federal, o órgão é responsável por investigar e denunciar potenciais irregularidades em um contingente de cerca de 335 mil militares.”

Link para o artigo completo: https://outraspalavras.net/outrasmidias/e-preciso-falar-sobre-maus-tratos-no-exercito/
Revista Sociedade Militar

Leia Também:  PF faz operação contra hackers suspeitos de divulgarem dados de Bolsonaro

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

PELO MUNDO

Novas pesquisas indicam caminhos promissores para tratamento contra Alzheimer

Published

on

Novos resultados de estudos científicos indicam áreas a serem exploradas como futuros tratamentos contra as demências. Para uma equipe da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, “células estressadas” podem eliminar o acúmulo de proteínas tóxicas no cérebro — fenômeno ligado ao Alzheimer. Um grupo da Universidade Monash, na Austrália, por sua vez, traz os dados dos ensaios clínicos iniciais de um medicamento para casos de neurodegeneração que acometem pacientes mais jovens.

Divulgado na última edição da revista Nature Communications, o trabalho britânico mostra, em experimentos de laboratório, que uma atividade acelerada das moléculas pode ajudar a “desmontar” as placas de proteína que comprometem a saúde neural. Os agregados de tau e beta-amiloide são justamente a principal frente de estudos científicos na área do Alzheimer.

“Essas moléculas se acumulam em um processo chamado de dobramento de proteínas, que é um procedimento normal no corpo. Ele serve como um controle de qualidade, destruindo os elementos defeituosos e mantendo os de bom funcionamento. No caso das doenças neurodegenerativas, esse sistema fica prejudicado e, com isso, consequências potencialmente devastadoras podem acontecer”, detalham os autores do artigo.

Leia Também:  Bolsonaro anuncia Carlos Alberto Decotelli como novo ministro da Educação

A equipe estudou o retículo endoplasmático (ER), uma espécie de membrana encontrada nas células de mamíferos, para chegar às conclusões. Essa estrutura desempenha uma série de funções importantes para a sobrevivência das células, como o transporte de proteínas presentes em sua superfície. Os especialistas levantaram a hipótese de que o estresse sofrido pela ER poderia atrapalhar o seu funcionamento, levando ao acúmulo das proteínas maléficas.

“Assim como ficamos estressados por uma carga de trabalho pesada, as células também podem ficar ‘estressadas’ se precisarem produzir uma grande quantidade de proteínas. Há muitas razões pelas quais isso pode acontecer. Por exemplo, quando elas estão produzindo anticorpos em resposta a uma infecção”, explica, em comunicado, Edward Avezov, pesquisador do Instituto de Pesquisa de Demência da universidade britânica e um dos autores do estudo.

“Desembaraçadas”

Durante as análises, os especialistas ficaram surpresos ao descobrirem que a hipótese levantada funcionava de maneira oposta. Ou seja, a sobrecarga de trabalho ajuda as células a eliminarem as proteínas acumuladas. “Ficamos chocados ao descobrir que estressar a célula realmente eliminou os agregados — não por degradá-los ou limpá-los, mas por ‘desembaraçá-los’, permitindo que eles se redobrem corretamente”, detalha Avezov.

Leia Também:  Neymar é registrado em auxilio emergencial e tem R$ 600 autorizados

Moléculas conhecidas como proteínas de choque térmico (HSPs), que são produzidas quando as células são expostas a temperaturas acima do normal, podem ser as responsáveis pelo mecanismo descoberto, segundo Avezov. “Houve alguns estudos recentes que mostraram que pessoas que vivem em países escandinavos e usam saunas regularmente podem ter um risco menor de desenvolver demência. Uma possível explicação para isso é que esse estresse leve (causado pelo aumento de temperatura) desencadeia uma maior atividade de HSPs, ajudando a corrigir as proteínas emaranhadas”, especula.

O cientista cogita um tratamento a partir do fenômeno que constatou com os colegas. “Se pudermos encontrar uma maneira de despertar esse mecanismo sem estressar as células — o que pode causar mais danos do que benefícios —, talvez possamos encontrar uma maneira de tratar algumas demências”, indica. Avezov pondera que mais análises são necessárias para ajudar a entender melhor os dados obtidos no experimento em laboratório.

 

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI