Polícia Federal

PF cumpre 30 mandados em repressão ao tráfico de drogas sintéticas em Macapá

Published

on

Macapá/AP. A Polícia Federal, em conjunto com o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público Estadual (GAECO/AP) e com apoio da Força Tarefa de Segurança Pública (FTSP) e Equipes do BOPE/PM, deflagrou na manhã desta quarta-feira (22), a Operação Desativado*, para reprimir os crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico, associação criminosa e lavagem de capitais.

Os policiais deram cumprimento a dezesseis mandados de busca e apreensão em residências dos investigados nos bairros: Novo Buritizal, Universidade, Julião Ramos, Infraero I, Pantanal e Pacoval, além de uma empresa, e outros três no Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (IAPEN). Houve também o cumprimento de 12 mandados de prisão preventiva, além do sequestro de sete veículos (entre carros e motocicletas), avaliados em cerca de R$ 650 mil.

A operação desta manhã é decorrente da Operação Delivery, deflagrada em outubro de 2021, pela Polícia Federal e GAECO – MP/AP, cuja investigação reprimiu o tráfico de drogas praticado por um grupo que se utilizava de redes sociais para a venda de drogas, principalmente sintéticas, e as entregava em residências, bares, festas e até em escolas.

Leia Também:  Operação da Polícia Federal afasta prefeito de Porto Grande/AP

Da mesma forma que os investigados na Delivery, os envolvidos se valiam de redes sociais e aplicativos de mensagens para divulgar e comercializar diferentes tipos de entorpecentes. Após análise dos elementos daquela investigação, a PF e o GAECO identificaram um grupo criminoso, alvo da ação de hoje, que era denominado de “Ativados” na estrutura da organização.

Cada investigado possuía uma função dentro da organização, dentre as quais: armazenamento, distribuição, transporte e comercialização. A PF e GAECO ainda encontraram indícios de que um dos investigados, proprietário de empresa de produtos veterinários, se utilizava da facilidade de acesso às substâncias com uso controlado pela ANVISA, para fornecê-las, indevidamente, para a organização criminosa, cuja matéria prima destinava-se à preparação de droga sintéticas.

Policiais federais ainda tiveram acesso a documentos que comprovam a movimentação de dezenas de milhares de reais entre contas bancárias dos indivíduos, por meio de transferências.

A Justiça ainda ordenou o bloqueio de valores nas contas bancárias e aplicações financeiras dos investigados. Os delitos apurados até o momento são tráfico de drogas, associação para o tráfico, organização criminosa e lavagem de capitais. As penas somadas, em caso de condenação, podem chegar a 42 anos de reclusão.

Leia Também:  Ao chamar quem cumpre o isolamento social de ‘Covardes’, presidente do Depasa  encarna seu padrinho político, Márcio Bittar

*Desativado: Em razão da ação da PF e GAECO, os investigados foram neutralizados das ações criminosas que praticavam.

NOTA À IMPRENSA – PF e PM

Durante cumprimento de mandado de prisão preventiva e de busca e apreensão na Operação Desativado, deflagrada pela Polícia Federal, com apoio do GAECO e BOPE, houve um troca de tiros, na qual um policial militar da reserva – que não é alvo da operação – foi alvejado e prontamente socorrido ao Hospital de Emergência.

Os mandados em questão foram cumpridos no bairro Infraero, Zona Norte de Macapá.

Comunicação Social da Polícia Federal no Amapá0

Instagram: @policiafederalamapa

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

Polícia Federal

Polícia Federal prende peruano procurado pela Interpol

Published

on

São Paulo/SP – A Polícia Federal localizou e prendeu nesta quarta-feira (29/06/22) um peruano procurado pela Interpol e foragido da Justiça do Peru em São Paulo/SP.

O homem, de nacionalidade peruana, foi acusado de participar de associação criminosa dedicada à exportação de dólares falsos do Peru para a Argentina. O crime ocorreu no ano de 2010. Segundo a legislação peruana a pena aplicada para esse crime é de até 10 anos.

O mesmo estrangeiro já havia sido preso em flagrante, por tentativa de furto qualificada em São Paulo, no ano de 2019.

A prisão se deu em cumprimento ao mandado de prisão preventiva, para fins de extradição, expedido pelo Supremo Tribunal Federal, a partir de representação do Escritório Central Nacional da Interpol no Brasil.

Agora ele permanecerá à disposição da Justiça aguardando os trâmites relativos ao processo de extradição.

No Brasil, a Polícia Federal é a representante da Interpol, uma organização intergovernamental composta por 195 países membros, com o objetivo de cooperação técnica e operacional entre polícias e compartilhamento de dados sobre criminosos procurados em diversos países.

Leia Também:  Polícia Federal prende peruano procurado pela Interpol

Comunicação Social da Polícia Federal em São Paulo
Fone: (11) 3538-5013
E-mail: [email protected]

Fonte: Polícia Federal

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI