POLITÍCA NACIONAL

Alckmin revela a aliados que terá papel de destaque com Lula

Published

on

Geraldo Alckmin discursando no Anhangabaú
Reprodução/YouTube – 20.08.2022

Geraldo Alckmin discursando no Anhangabaú

Geraldo Alckmin (PSB) viajou para Goiás e revelou para aliados que terá papel de destaque em um eventual governo Lula . O ex-governador de São Paulo foi questionado se ele participará das decisões da gestão petista e o ex-tucano garantiu que recebeu a confirmação que será peça fundamental para que os projetos do líder nas pesquisas saiam do papel.

Alckmin procurou antigos companheiros do PSDB  no estado goiano para aderirem à campanha do PT. O diretório estadual concordou com os pontos apresentados pelo ex-chefe do executivo paulista, mas temeu apoiar Lula no primeiro turno por conta de um possível isolamento de Geraldo.

O ex-governador explicou que o plano traçado pelos petistas é que Lula faça viagens pelo mundo para melhorar a imagem do Brasil internacionalmente. Já ele, caso vença as eleições 2022 , será responsável por dialogar com o Congresso e setores mais conservadores para que os projetos sejam aprovados.

Questionado se ocupará o Ministério da Economia, ele voltou a dizer que não há essa possibilidade. “O governador é muito claro no seu posicionamento. Ele será um co-piloto do Lula. O Ministério da Economia dificultaria que ele tivesse participação em outros setores”, conta um aliado.

Leia Também:  Prefeitura decide suspender aulas em creche após casos de Covid em crianças

Alckmin garantiu que todas as suas sugestões são escutadas e está muito bem alinhado com Lula. Depois de todas as explicações, o diretório de Goiás do PSDB resolveu comunicar o apoio já no primeiro turno para a chapa petista.

“O governador tem muita credibilidade. Ele é um homem sério e possui respeito no meio político. Se ele falou, é porque é verdade”, acrescenta o aliado.

Alckmin despista sobre ministros

Geraldo Alckmin foi questionado quais nomes serão convidados para comandar os ministérios de um eventual governo Lula. No entanto, o ex-governador de São Paulo despistou.

Ele declarou que o ex-presidente não tem falado sobre o tema e o foco da chapa é apresentar suas propostas para a sociedade, tendo como objetivo vencer no primeiro turno. Segundo o médico, conversas sobre ministros só ocorrerão após as eleições deste ano.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

POLITÍCA NACIONAL

Campanha de Lula evita clima de “já ganhou”

Published

on

Lula durante comício em Ipatinga (MG)
Ricardo Stuckert/PT

Lula durante comício em Ipatinga (MG)

Mobilizada para vencer no primeiro turno, a campanha do candidato à Presidência da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem trabalhado internamente para evitar o clima de “já ganhou”. O objetivo é fazer com que a militância siga aguerrida na reta final das eleições 2022 para tentar liquidar a disputa no dia 2 de outubro.

Pesquisas internas do Partido dos Trabalhadores já identificam o movimento do voto útil . A ordem é fazer com que os apoiadores do ex-presidente estejam nas ruas nos próximos dias para convencer os indecisos a aderirem a campanha petista, além de atrair eleitores de Ciro Gomes (PDT) e Simone Tebet (MDB).

“Todos sabem que temos chances reais de vencer no primeiro turno . Aquilo que era um sonho no começo da pré-campanha, agora é uma realidade. Só que esse objetivo só será alcançado se a gente seguir no mesmo ritmo. Temos que dialogar com a sociedade e convencer mais gente que nosso projeto é o que defende a democracia e o povo brasileiro”, diz um dos coordenadores da campanha.

Leia Também:  Braga Netto se aproxima de base aliada ao governo no Congresso

A cúpula do partido destaca que, em 2006, Lula não conseguiu liquidar no primeiro turno por conta do “salto alto” da militância. “Fomos para o segundo turno por puro descuido. Tanto que, no segundo turno, a mobilização foi gigantesca e o PSDB teve menos voto do que no primeiro, algo inimaginável”, relembra o coordenador.

“Só que, em 2006, a disputa era com um democrata, o Alckmin, que hoje está conosco. Agora temos no poder um homem perigoso, que flerta com o autoritarismo e o golpismo. Levar a eleição para o segundo turno pode trazer uma onda de violência ao país. Não podemos diminuir o ritmo para ganhar no dia 2 de outubro”, completa.

Foco também no segundo turno

Outro motivo para evitar o clima de “já ganhou” é para que a militância não desanime caso a eleição não termine no próximo domingo. “Pode ter segundo turno e ninguém vai poder desanimar. Foco é a palavra”, comenta outro coordenador da campanha.

A última pesquisa Ipec, divulgada na segunda (26), coloca Lula em primeiro com 52% dos votos válidos.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI