POLITÍCA NACIONAL

Chico Rodrigues defende retomada das relações diplomáticas do Brasil com a Venezuela

Published

on

O senador Chico Rodrigues (União-RR), em pronunciamento nesta quarta-feira (29),  defendeu a retomada das relações diplomáticas do Brasil com a Venezuela, depois de relatar viagem feita ao país vizinho pelos integrantes do Grupo Parlamentar Brasil-Venezuela.

Segundo ele, o Brasil deve seguir o exemplo do governo dos Estados Unidos, que, mesmo com as tensões e o embargo comercial imposto à Venezuela, não abriu mão de manter funcionando sua embaixada em Caracas.

— A relação Brasil-Venezuela é uma relação ganha-ganha. Na verdade, ganhamos muito mais na nossa relação comercial, sempre superavitária com o país vizinho do Norte. Empregos, lucros, renda para os brasileiros. Oportunidades imensas para a nossa agricultura — disse.

Segundo Chico Rodrigues, os integrantes da missão diplomática parlamentar mantiveram contatos com representantes do Legislativo e do Executivo venezuelanos, por meio dos quais foram repassadas informações sobre potenciais que podem ser explorados por ambos os países.

De acordo com ele, o presidente Nicolás Maduro prometeu colaborar com o Brasil na minimização dos efeitos negativos da guerra entre a Ucrânia e a Rússia, por meio da venda de fertilizantes, como fosfato e ureia, e de petróleo a um preço inferior ao negociado no mercado internacional.

Leia Também:  Brasil é surpreendido por Camarões na estreia da Surdolimpíada

Particularmente, o estado de Roraima, que não é interligado ao sistema elétrico nacional, pode se beneficiar com a autorização para a retomada do fornecimento de energia da Usina de Guri.

— O que representará uma economia imediata a todos os brasileiros, em função da conta CCC, de mais de R$1,5 bilhão, (referente) ao montante pago a mais nas contas de energia elétrica para compensar, em Roraima, por ter que consumir diesel para o fornecimento de energia e atender a demanda do nosso estado — disse.

Chico Rodrigues citou a retomada dos voos diretos entre Brasil e Venezuela, apenas uma semana depois do encontro, o levantamento da proibição do fornecimento de pescado ao Brasil e a possibilidade de aprovação de um marco legal que dará mais segurança jurídica para investimentos brasileiros no país vizinho, especialmente no setor agrícola.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte: Agência Senado

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

POLITÍCA NACIONAL

Eleição este ano terá mais de 28 mil candidatos; veja os números

Published

on

Eleições 2022

Um total de 28.274 candidatos concorrem às eleições gerais deste ano. No próximo dia 2 de outubro, um eleitorado de 156.454.011 brasileiros está apto a eleger o presidente da República, 27 governadores, 27 senadores, 513 deputados federais, 1.035 deputados estaduais e 24 deputados distritais.

Para o Senado, o TSE registra 235 candidaturas, ou 8,7 candidatos por cadeira em disputa (este ano, um terço dos 81 assentos). A “relação candidato/vaga” é maior para a Câmara Legislativa do Distrito Federal: são 591 candidatos para os 24 lugares disponíveis, ou 24,63 por assento.

O total de candidatos acima inclui os postulantes a vice-presidente, vice-governador e suplentes de senador, que são eleitos juntamente com os cabeças de chapa. Os números são do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e estão sujeitos a atualização durante a campanha, à medida que os registros das candidaturas são analisados.

Este ano ocorreu uma ligeira queda no número total de candidatos, de 2,8%, de 29.085 para 28.274.

Federações

Uma novidade deste ano é a possibilidade de partidos formarem “federações”, que não podem ser desfeitas durante quatro anos. As federações substituíram as coligações partidárias, que muitas vezes não passavam de acordos efêmeros, de cunho meramente eleitoreiro, e foram abolidas em eleições proporcionais a partir do pleito municipal de 2020. Este ano são três as federações: PT/PV/PCdoB; Cidadania/PSDB; e Rede/PSOL.

Leia Também:  Doria diz que Lula 'não é como Bolsonaro': 'inteligente e tem passado'

Este ano, 37.646 pessoas transgênero solicitaram a inclusão do nome social no título de eleitor. A alteração podia ser solicitada on-line na página do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) até o dia 4 de maio.

Veja nos gráficos mais alguns números e curiosidades estatísticas das eleições deste ano:

perfil_todos_candidatos (1).png

perfil_eleitorado.png

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte: Agência Senado

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI