POLITÍCA NACIONAL

Datafolha: Bolsonaro tem 55% de rejeição; Lula tem 35%

Published

on

source
Datafolha aponta que Bolsonaro tem 55% de rejeição
Isac Nóbrega/PR

Datafolha aponta que Bolsonaro tem 55% de rejeição


A pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira mostra o presidente Jair Bolsonaro (PL) com 55% de rejeição, seguido pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), com 35%. Cada entrevistado pode escolher mais de um candidato no levantamento.

Confira o índice de rejeição de todos os pré-candidatos:

– Jair Bolsonaro (PL) – 55% – Lula (PT) – 35% – Ciro Gomes (PDT) – 24% – General Santos Cruz (Podemos) – 18% – Vera Lucia (PSTU) – 16% – Eymael (DC) – 16% – Luciano Bivar (União) – 16% – Pablo Marçal (PROS) – 15% – Felipe D’Ávila (Novo) – 15% – Sofia Manzano (PCB) – 15% – Simone Tebet (MDB) – 14% – André Janones (Avante) – 14% – Leonardo Péricles (UP) – 14% – Não rejeita nenhum – 2% – Não votaria em nenhum – 1% – Não sabe – 2% O Datafolha entrevistou, nesta quarta e quinta-feira, 2.556 eleitores em 181 municípios de todas as regiões do país. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-09088/2022. A margem de erro é de dois pontos percentuais, e o índice de confiança é de 95%.

Leia Também:  Bolsonaro gastou R$ 21 milhões no cartão corporativo, diz revista

Histórico Bolsonaro já apresentava o maior índice de rejeição entre todos os candidatos na pesquisa anterior do Datafolha, divulgada no fim de maio. Na ocasião, 54% dos eleitores afirmavam que não votariam nele de jeito nenhum, o que indica oscilação dentro da margem de erro.


Apesar da liderança de Bolsonaro no ranking de rejeição, o desempenho atual é melhor do que o registrado em levantamentos anteriores, quando a marca negativa chegou a atingir 60%.

Em maio, Lula aparecia em segundo lugar com uma rejeição de 33%, valor que também oscilou para cima, embora ainda dentro da margem de erro. Na sequência, vinham o ex-governador cearense Ciro Gomes (PDT), com 19%; o general Carlos Alberto dos Santos Cruz (Podemos), com 11%; Vera Lúcia (PSTU), Eymael (DC) e Luciano Bivar (União) com 10% cada; e Pablo Marçal (Pros), Simone Tebet (MDB), André Janones (Avante), Felipe d’Ávila (Novo), Sofia Manzano (PCB) e Leonardo Péricles (UP), que tinham 8% cada.

Leia Também:  Isenção fiscal para equipamento de fotógrafo e cinegrafista é vetada integralmente

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

POLITÍCA NACIONAL

Governo limita reajuste das taxas de foro em terrenos da União

Published

on

Uma medida provisória editada pelo presidente Jair Bolsonaro limita o reajuste das taxas de foro e de ocupação dos terrenos da União a 10,06% no exercício de 2022. O valor corresponde à inflação do ano passado com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). A assinatura da MP foi informada na noite desta sexta-feira (24) pela Secretaria-Geral da Presidência da República. O texto deve ser publicado na edição do Diário Oficial da União de segunda-feira (27).

A partir de 2023, o lançamento dos débitos deverá observar o percentual máximo de atualização correspondente a duas vezes a variação acumulada do IPCA do exercício anterior ou os 10,06%, o que for menor. 

Segundo o governo, a medida corrige distorções de legislações anteriores, que obrigavam a Secretaria de Coordenação e Governança do Patrimônio da União (SPU) a realizar reajustes de até cinco vezes o IPCA. As maiores variações ocorriam quando a Planta de Valores Genéricos (PVG), informada pelos municípios – que ficam com 20% da arrecadação da SPU – era atualizada após anos de defasagem. A planta também é a base de valores de imóveis utilizada pelos municípios para a fixação das cobranças do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). 

Leia Também:  Presidente Jair Bolsonaro cogita reestruturar carreiras da PRF e Depen

Paga todos os anos, a taxa do foro incide sobre terrenos cujos titulares se encontravam nas terras antes da demarcação como área da União e equivale a 0,6% do valor atualizado do imóvel. Atualmente, cerca de 300 mil imóveis em todo o país estão sob o regime de foro. Na maioria dos casos, são terrenos na faixa litorânea cuja ocupação é permitida, mas a área pertence parcialmente ao governo para garantir a defesa nacional e o livre acesso ao mar pela população.

“Com a edição da MP, embora a SPU continue obrigada a seguir a PVG informada pelos municípios, fica garantido que o reajuste da cobrança de taxas de foro e de ocupação nunca seja maior que 10,06%. Além disso, vale enfatizar que muitos cidadãos podem não ter aumento algum, ou até mesmo redução na cobrança, em caso de atualizações para menos da PVG pelos municípios”, argumentou a Secretaria-Geral da Presidência. 

Para este ano, a SPU disponibilizará os documentos de arrecadação em sua página na internet [patrimoniodetodos.gov.br], para os quais serão concedidos o parcelamento em até cinco cotas mensais, com o vencimento da primeira parcela ou da cota única para o dia 31 de agosto de 2022, respeitado o valor mínimo de R$ 100 para cada parcela.

Leia Também:  Eduardo Bolsonaro destinou R$ 9,5 milhões via orçamento secreto

Edição: Fábio Massalli

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI