POLITÍCA NACIONAL

Na região metropolitana de SP, Ciro fala de programa de renda mínima

Published

on

Na manhã de hoje (17), o candidato à Presidência da República pelo PDT, Ciro Gomes, fez uma caminhada pelo bairro Cento e Vinte, em Santana do Parnaíba, cidade da região metropolitana de São Paulo. Ao lado do candidato a governador de São Paulo pelo PDT, Elvis Cezar, e da candidata a vice-governadora, Gleides Sodré, Ciro fez campanha na região e relembrou um dos pilares da sua campanha, o programa de renda mínima. O programa foi batizado em homenagem ao vereador Eduardo Suplicy, do PT de São Paulo.

“Aqui no Cento e Vinte nós repisamos nossa prioridade, o programa de renda mínima, de cidadania, Eduardo Suplicy. Mil reais para todos os domicílios da pobreza brasileira que têm uma definição. Quem ganha por cabeça R$ 417 por mês passará a ter direito constitucional, como elemento previdenciário, com receitas arrecadadas pelo Estado, para resolver o problema”, disse ele durante a caminhada.

Ciro, que também estava acompanhado de vários candidatos a deputado federal e estadual do partido, afirmou que seu programa de governo visa a construção de “um Brasil para todos”. “Aqui nós viemos sinalizar aquilo que é o compromisso fundamental do projeto nacional de desenvolvimento: construir um Brasil para todos, um Brasil equilibrado, justo, onde cada setor da vida nacional tenha uma oportunidade de visualizar seus interesses, sua estratégia, de ter esperança no futuro”.

Leia Também:  Senado promove o Junho Verde com iluminação especial na cúpula

O candidato a presidente pelo PDT destacou o compromisso do seu projeto de governo em acabar com a pobreza, “erradicar a miséria, a fome, a doença e todas as sequelas da sociedade mais injusta, de pior distribuição de renda do mundo”. À tarde, o candidato do PDT deverá gravar seu programa eleitoral. As campanhas pela televisão e rádio terão início no dia 26 de agosto.

O PDT lançou a candidatura de Ciro Gomes em 20 de julho, mas, em entrevistas realizadas nos últimos anos, ele já se colocava como candidato à Presidência, após o terceiro lugar obtido na eleição de 2018. O partido não fechou alianças este ano e definiu o nome de Ana Paula Matos, vice-prefeita de Salvador, como candidata a vice-presidente na chapa.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Política Nacional

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

POLITÍCA NACIONAL

Campanha de Lula evita clima de “já ganhou”

Published

on

Lula durante comício em Ipatinga (MG)
Ricardo Stuckert/PT

Lula durante comício em Ipatinga (MG)

Mobilizada para vencer no primeiro turno, a campanha do candidato à Presidência da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem trabalhado internamente para evitar o clima de “já ganhou”. O objetivo é fazer com que a militância siga aguerrida na reta final das eleições 2022 para tentar liquidar a disputa no dia 2 de outubro.

Pesquisas internas do Partido dos Trabalhadores já identificam o movimento do voto útil . A ordem é fazer com que os apoiadores do ex-presidente estejam nas ruas nos próximos dias para convencer os indecisos a aderirem a campanha petista, além de atrair eleitores de Ciro Gomes (PDT) e Simone Tebet (MDB).

“Todos sabem que temos chances reais de vencer no primeiro turno . Aquilo que era um sonho no começo da pré-campanha, agora é uma realidade. Só que esse objetivo só será alcançado se a gente seguir no mesmo ritmo. Temos que dialogar com a sociedade e convencer mais gente que nosso projeto é o que defende a democracia e o povo brasileiro”, diz um dos coordenadores da campanha.

Leia Também:  Projeto do governo leva oportunidade de renda para mais de 300 famílias em residenciais da capital

A cúpula do partido destaca que, em 2006, Lula não conseguiu liquidar no primeiro turno por conta do “salto alto” da militância. “Fomos para o segundo turno por puro descuido. Tanto que, no segundo turno, a mobilização foi gigantesca e o PSDB teve menos voto do que no primeiro, algo inimaginável”, relembra o coordenador.

“Só que, em 2006, a disputa era com um democrata, o Alckmin, que hoje está conosco. Agora temos no poder um homem perigoso, que flerta com o autoritarismo e o golpismo. Levar a eleição para o segundo turno pode trazer uma onda de violência ao país. Não podemos diminuir o ritmo para ganhar no dia 2 de outubro”, completa.

Foco também no segundo turno

Outro motivo para evitar o clima de “já ganhou” é para que a militância não desanime caso a eleição não termine no próximo domingo. “Pode ter segundo turno e ninguém vai poder desanimar. Foco é a palavra”, comenta outro coordenador da campanha.

A última pesquisa Ipec, divulgada na segunda (26), coloca Lula em primeiro com 52% dos votos válidos.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI