POLITÍCA NACIONAL

Pablo Marçal lança candidatura à presidência da República

Published

on

O empresário Pablo Marçal, filado ao Pros, lançou hoje (16) sua candidatura à presidência da República na sede de uma de suas empresas, a Plataforma Internacional, em Barueri (SP), no bairro de Alphaville, na região da Grande São Paulo.

A candidatura de Marçal, porém, é questionada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Duas alas do Pros disputam a liderança do partido: uma, da qual Marçal faz parte, é a favor da candidatura própria; outra, defende a coligação com o PT e o apoio ao candidato Luiz Inácio Lula da Silva.

No final de julho, quando o partido era comandado por membros favoráveis a candidatura própria, uma convenção partidária oficializou o nome de Marçal como candidato. No dia 10, no entanto, uma decisão judicial colocou no comando do partido a ala a favor da coligação com o PT. 

Ontem (15), o Pros aprovou a entrada do partido na coligação que apoia Lula e retirou o nome de Marçal da disputa presidencial. O TSE ainda não decidiu sobre a exclusão da candidatura do empresário. No sistema de divulgação de candidaturas do tribunal constava, até as 19 h, o nome de Marçal como candidato, assim como a participação do Pros na coligação junto com o PT.

Leia Também:  República Gourmet, em Rio Branco, já está pronta para o melhor do samba nesse sábado; confira

“Lamento muito por isso, eu não vou retroceder. Já me procuraram para renunciar para evitar problema judicial. Vou reiterar uma coisa minha particular: sou jurista por formação, nunca acionei ninguém na Justiça. Essa vai ser a primeira vez que eu vou fazer, porque eu entrei nisso para ajudar o nosso povo. Eu sei que o sistema político atual não aceita gente de fora, fazem de tudo [para isso não ocorrer]. Eu entendo isso como um golpe antidemocrático”, disse Marçal em entrevista coletiva no fim da tarde.

À noite, durante o evento de lançamento da candidatura, Marçal disse estar preparado para assumir a presidência da República e destacou a defesa da família. “Eu estou pronto para passar os quatro anos da minha vida me dedicando, governando essa nação para fazer famílias serem restauradas, para abrir empresas, gerar empregos, para afastar esse monstro da inflação que assola tanto o mundo e tem assolado o nosso país”, disse.

O candidato participou por teleconferência do evento. Ele estava em Brasília na posse do novo presidente do TSE, Alexandre de Moraes.

Leia Também:  Petista desesperado e anti-Bolsonaro diz que Gladson vai abandonar candidatura: "é doido, marginal"

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Política Nacional

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

POLITÍCA NACIONAL

Campanha de Lula evita clima de “já ganhou”

Published

on

Lula durante comício em Ipatinga (MG)
Ricardo Stuckert/PT

Lula durante comício em Ipatinga (MG)

Mobilizada para vencer no primeiro turno, a campanha do candidato à Presidência da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem trabalhado internamente para evitar o clima de “já ganhou”. O objetivo é fazer com que a militância siga aguerrida na reta final das eleições 2022 para tentar liquidar a disputa no dia 2 de outubro.

Pesquisas internas do Partido dos Trabalhadores já identificam o movimento do voto útil . A ordem é fazer com que os apoiadores do ex-presidente estejam nas ruas nos próximos dias para convencer os indecisos a aderirem a campanha petista, além de atrair eleitores de Ciro Gomes (PDT) e Simone Tebet (MDB).

“Todos sabem que temos chances reais de vencer no primeiro turno . Aquilo que era um sonho no começo da pré-campanha, agora é uma realidade. Só que esse objetivo só será alcançado se a gente seguir no mesmo ritmo. Temos que dialogar com a sociedade e convencer mais gente que nosso projeto é o que defende a democracia e o povo brasileiro”, diz um dos coordenadores da campanha.

Leia Também:  República Gourmet, em Rio Branco, já está pronta para o melhor do samba nesse sábado; confira

A cúpula do partido destaca que, em 2006, Lula não conseguiu liquidar no primeiro turno por conta do “salto alto” da militância. “Fomos para o segundo turno por puro descuido. Tanto que, no segundo turno, a mobilização foi gigantesca e o PSDB teve menos voto do que no primeiro, algo inimaginável”, relembra o coordenador.

“Só que, em 2006, a disputa era com um democrata, o Alckmin, que hoje está conosco. Agora temos no poder um homem perigoso, que flerta com o autoritarismo e o golpismo. Levar a eleição para o segundo turno pode trazer uma onda de violência ao país. Não podemos diminuir o ritmo para ganhar no dia 2 de outubro”, completa.

Foco também no segundo turno

Outro motivo para evitar o clima de “já ganhou” é para que a militância não desanime caso a eleição não termine no próximo domingo. “Pode ter segundo turno e ninguém vai poder desanimar. Foco é a palavra”, comenta outro coordenador da campanha.

A última pesquisa Ipec, divulgada na segunda (26), coloca Lula em primeiro com 52% dos votos válidos.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI