RIO BRANCO

Área de proteção ambiental em Rio Branco sofre com invasões e queimadas

Published

on

Mais uma vez, a Área de Proteção Ambiental Raimundo Irineu Serra (Aparis) está sendo impactada por crimes ambientais, como queimadas e derrubadas, e agora também com invasão, já que estão montando casas em torno da comunidade.

As casas de madeira estão sendo construídas às margens da Estrada Irineu Serra e o problema se arrasta desde junto, segundo a associação de moradores do bairro.

Conhecida por ser uma comunidade onde se originou o daime, a área de proteção ambiental tem mais de 908 hectares de terra e foi criada em junho de 2005.

Em 2013, a prefeitura chegou a inaugurar o escritório técnico da Aparis. O objetivo era acompanhar de perto a comunidade e prestar serviços de informação, destacando, principalmente, o papel da unidade de conservação.

Porém, a atual gestão municipal alega que essa sede foi extinta ainda na gestão passada, em meados de 2019 a 2020, e atualmente a Secretaria Municipal de Meio Ambiente não tem escritório dentro da unidade.

A associação afirma ainda que há uma decisão da 1ª Vara da Fazenda Pública que determina, liminarmente, a desocupação voluntária da área em um prazo de 24 horas. A decisão era de 3 de agosto, mas não foi cumprida. Mesmo passado esse período, em que poderia ser usada a força policial para a retirada das casas, a invasão só avança na área.

Leia Também:  Em Rio Branco, ciclista é atropelado ao tentar atravessar BR

 

G1

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

RIO BRANCO

Bocalom anuncia lançamento do programa “Minha Dignidade” que vai custear até 90% do terreno para moradia popular

Published

on

O prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom, lançou na manhã desta sexta-feira, 30, o programa de habitação popular “Minha Dignidade”, que contou com a presença de secretários e da imprensa.

De acordo com Bocalom, o programa é um projeto pioneiro da prefeitura e tem por objetivo a construção de prédios com quatro andares, onde servidores públicos municipais e população em geral poderão realizar financiamento junto ao banco.

“Nunca teve um programa de habitação popular tão forte como esse que estamos fazendo agora, porque quem fez isso foi o estado, onde a prefeitura assumiu essa questão da habitação popular em Rio Branco”, disse o prefeito.

O diferencial trazido pelo prefeito Tião Bocalom é a oportunidade de haver um custeamento de boa parte do valor do apartamento por meio da prefeitura.

“Os servidores municipais que ganham de um até sete salários mínimos, dentro das faixas que o município vai subsidiar parte do terreno, dependendo da faixa remuneratória e a população em geral que ganha de um até três salários mínimos”, explicou o secretário de Gestão Administrativa (SMGA), Jonathan Santiago.

Leia Também:  Ex-funcionários da LIQ ameaçam entrar com processo contra TIM para receber rescisões

Santiago disse ainda, que vai subir um estudo que pretende avaliar a possibilidade de estender o benefício desse sistema de moradias aos agentes de segurança pública, com o objetivo de ampliar a segurança nessas regiões.

Notícias da Hora

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI