SAÚDE

11 alimentos que contribuem para o funcionamento dos rins

Published

on

11 alimentos que contribuem para o funcionamento dos rins
Redação EdiCase

11 alimentos que contribuem para o funcionamento dos rins

Uma alimentação equilibrada e saudável é fundamental para a saúde desse órgão

Uma das principais funções dos rins é filtrar o sangue. Por isso, cuidar da alimentação é importante para a saúde e funcionamento desses órgãos. “Muitos fatores podem gerar adoecimento dos rins e, como consequência, desenvolvimento de doenças renais. Um dos fatores que influenciam na saúde renal é a alimentação, muitos alimentos podem gerar doenças e outros ajudam a preveni-las”, explica o nutrólogo Sandro Ferraz. 

Alimentos benéficos para a saúde dos rins

O nutrólogo Sandro Ferraz cita alguns alimentos que ajudam a prevenir doenças nesse órgãos e auxiliam no funcionamento deles. Confira! 

1. Alho

Ajuda a prevenir lesões que causam insuficiência , tem propriedades diuréticas, entre outros benefícios. 

2. Maçãs

Ajudam a impedir disfunção renal e melhoram o funcionamento do rim de quem já está adoecido. 

3. Melancia

A melancia possui grande quantidade de água, o que melhora a saúde renal. Também possui propriedades depurativas, que ajudam a limpar os rins e prevenir infecções. 

> Pedras nos rins: conheça as causas, os sintomas e as formas tratamento

Leia Também:  Varíola dos Macacos: Brasil entra em 'alerta' com aumento dos casos

4. Gengibre

O gengibre é termogênico, possui propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes, ajudam a aumentar a função renal, na reparação de tecidos renais, previne a inflamação ao redor dos rins e a formação de cálculo renal. 

5. Pimentas vermelhas

São ricas em nutrientes, além de termogênicas, e aumentam a função renal.

> 4 benefícios da massagem para a terceira idade

6. Cereja

Ajudam a melhorar a função renal. 

7. Limão

Ajuda a prevenir pedras nos rins e a dissolver os minerais nesse órgão. 

8. Azeite

Ajuda a melhorar a função renal. 

9. Aipo

É rico em água e possui propriedades diuréticas. Além disso, contribui para o aumento da produção de urina e na limpeza dos rins. 

10. Cebola

Possui boa quantidade de água e minerais, é rico em antioxidantes benéficos para órgãos como os rins e o coração. Suas propriedades também ajudam a regular o metabolismo e a eliminar as toxinas que o corpo não precisa. 

11. Aspargos

Ajudam a estimular os rins e na eliminação natural de resíduos. 

Alimentos que afetam os rins

Assim como existem os alimentos que melhoram o funcionamento dos rins, também têm aqueles que podem piorar a saúde do órgão. “Alimentos ricos em purinas, como carnes vermelhas e embutidos, peixes como a sardinha e a anchova, bebidas alcoólicas, especialmente a cerveja, alimentos ricos em proteína, como o consumo excessivo de carne, peixe e ovos, que sobrecarregam os rins”, alerta o nutrólogo. 

Leia Também:  7 dúvidas comuns sobre tatuagem

> Conheça os 4 pilares da meditação

Outros alimentos prejudiciais

  • Sal em excesso: enquanto o sal é essencial para o nosso corpo, consumi-lo em grandes quantidades faz com que nossos rins tenham que reter mais água para eliminá-lo, o que pode causar o aumento da pressão arterial e, a longo prazo, causar possíveis danos aos rins. 
  • Refrigerantes: podem influenciar no surgimento de pedras nos rins, especialmente quando são muito consumidos. 
  • Lácteos: o consumo excessivo de leite e produtos lácteos pode aumentar a excreção de cálcio pela urina. Isto pode gerar o desenvolvimento de pedras nos rins, mas somente em casos em que já há uma predisposição para esse problema. 
  • Cafeína: o consumo em excesso de cafeína aumenta o risco de formação de pedras nos rins. 

Veja mais conteúdos na  revista ‘Saúde e Bem-estar’

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

SAÚDE

Saiba qual frequência o lençol deve trocado e lavado

Published

on

Prefira lençóis de algodão e linho aos sintéticos, porque esquentam menos
Thinkstock/Getty Images

Prefira lençóis de algodão e linho aos sintéticos, porque esquentam menos

Você já se perguntou com que frequência deveria trocar e lavar o lençol da sua cama? É uma indagação simples, mas pesquisas recentes mostram que muitas pessoas tem hábitos errados quanto o assunto e prolongam por muito tempo a ida da roupa de cama a máquina de lavar. Muito mais do que o período recomendado por especialistas e acabam ajudando na proliferação de germes e bactérias naquilo que deveria ser um dos lugares mais limpos da casa, a cama.

Uma pesquisa feita no Reino Unido, pela YouGov, por exemplo, mostra que a idade e o gênero têm grande relação com o descuido na hora de levar lençóis para a lavagem. Qualquer pessoa que considere passar a noite na casa de um jovem adulto deve tomar cuidado. O estudo, de 2016, ouviu cerca de 1000 pessoas, desses, 37% dos menores de 30 anos, esperam até quase dois meses para lavar seus lençóis.

O número é surpreendente quando descobrimos que quase 50% das pessoas com mais de 45 anos lava seus lençóis toda semana. Os jovens adultos acreditam que “higienizar regularmente” a roupa de cama é a cada duas semanas, e 58% desse público faz isso. 1 em cada 10 troca a roupa de cama semanalmente.

A pesquisa também apontou que o gênero também importa. Os homens em geral são mais descuidados nas atitudes em relação aos lençóis limpos do que as mulheres. 44% das mulheres limpam seus lençóis pelo menos uma vez por semana, em comparação com 32% dos homens.

Leia Também:  Validade sob suspeita: desabrigados de Sena Madureira ainda não receberam alimentos e prefeitura desrespeita campanha Acre Solidário

6% de homens e mulheres, no entanto, formam o “grupo central imundo” que higieniza os lençóis no mínimo a cada sete semanas.

Mas qual é o período certo para a retirada e higienização das roupas de cama? a companhia de saúde, Sleep Foundation, recomenda que a maioria das pessoas lave seus lençóis uma vez por semana. Entretanto, para aqueles que tem bichos de estimação dentro de casa e que dormem em cima da cama, o ideal seria lavar a cada 3 a 4 dias – pelo menos duas vezes durante a semana.

Isso porque, por mais que os bichanos estejam dentro de casa, eles ainda carregam bactérias e sujeiras que podem ser prejudiciais a nossa saúde. Sem contar que os nossos lençóis absorvem toda a nossa sujeira como suor, fluídos e óleos corporais e os temidos ácaros, criaturas microscópicas que se alimentam das células da pele. Um colchão usado típico pode ter de 100.000 a 10 milhões dessas bactérias.

Ainda segundo o estudo, nós perdemos cerca de 3,9 quilos de células de pele ao longo de 365 dias e grande parte disso inevitavelmente acaba nas camas, lugar onde passamos um terço de nossas vidas.

Outro estudo

Uma pesquisa um pouco mais antiga da mesma empresa, YouGov, de 2014, separou os britânicos em grupos dos mais limpos ao sem limpeza nenhuma. Apenas 3% do público inglês lava seus lençóis mais de uma vez por semana e são considerados os “maníacos por limpeza”, um terço deles, ou seja 33%, se enquadra na categoria “limpadores semanais” e o maior grupo é o “limpadores a cada duas semanas”, com 35%.

Leia Também:  Covid-19: Coreia do Norte confirma seis mortes pela doença

Há um outro grupo, mais abaixo, considerado sem limpeza nenhuma que são pessoas que esperam até sete semanas para limpar o lençol da cama e cerca de 37% desse grupo, ou seja, mais de um terço, são jovens de 18 a 24 anos. Como medida de comparação, a porcentagem desse grupo cai para 14% entre pessoas com mais de 60 anos.

Os homens e as mulheres também têm uma pequena diferença no tempo em que sentem que os lençóis se tornam “nojentos”. Para o sexo masculino, a roupa de cama fica insustentável depois de seis semanas sem uma higienização. Já para as mulheres, o ideal é não deixar de levar para a máquina de lavar passar de 5 semanas.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI