SAÚDE

4 dicas para começar a correr 5 km

Published

on

4 dicas para começar a correr 5 km
Redação EdiCase

4 dicas para começar a correr 5 km

A corrida de rua vem ganhando cada vez mais adeptos nos últimos anos e se tornando um esporte bastante popular, principalmente nas grandes capitais, que oferecem provas de 5 e 10 km. Entre as vantagens da corrida estão o fato de exigir pouco investimento inicial – basta roupas leves e um tênis adequado –, e poder ser praticada em parques, praças ou mesmo na rua (de preferência com pouco movimento, claro).

1. Comece com caminhadas

Apesar de toda a facilidade, alguns cuidados devem ser tomados antes de começar. “Um erro comum é a pessoa querer já sair correndo sem estar com o corpo preparado. Assim, não aguenta sustentar a corrida , acha que não consegue ou não leva jeito para correr e acaba desistindo”, comenta Adriano Bastos, atleta profissional, sócio-proprietário e treinador da assessoria esportiva Adriano Bastos Treinamento Esportivo.

Ainda de acordo com o profissional, “o ideal é começar com caminhadas de 30 minutos e a cada treino, aos poucos, ir introduzindo a corrida no meio, intercalando com a caminhada, até chegar o momento em que correrá direto os 30 minutos sem dificuldade”.

Leia Também:  “Tá vestindo o quê?”: dicas de sexo virtual para a quarentena

2. Melhore o condicionamento físico

Segundo Adriano Bastos, com um treinamento correto e planejado, há grande evolução no condicionamento físico e a partir do momento em que o corredor iniciante já estiver conseguindo correr 30 minutos direto em treinos, facilmente conseguirá realizar uma prova de 5 km. “Para chegar a esse ponto, normalmente o programa dura em torno de cinco a oito semanas, tudo depende da evolução da pessoa, que varia muito de indivíduo para indivíduo, além da dedicação.”

3. Prepare-se para correr 5 km

Para se preparar para correr 5 km, o ideal é realizar de três a quatro treinos de corrida na semana com intensidade leve, apenas para aguentar o volume desejado, e mais dois dias de musculação. “Depois que a pessoa já estiver bem treinada, poderá intensificar os treinos, realizando dois treinos na semana em ritmo forte e dois em ritmo leve. A musculação também é um complemento importante para quem corre, principalmente para evitar lesões”, acrescenta Adriano Bastos.

Ele também explica que na musculação não é necessário treinar com altas cargas , e sim séries de resistência para fortalecimento. Isso porque o ganho excessivo de massa muscular pode atrapalhar na corrida.

Leia Também:  Brasil tem 21 casos confirmados de varíola dos macacos, diz Saúde

4. Cuide do corpo

Antes de cada treino é importante ainda estar alimentado e hidratar-se durante e após o treino. “Lembre-se ainda de dedicar entre 10 e 15 minutos aos alongamentos depois de cada treino, isso a longo prazo evitará que a musculatura fique encurtada, evitando também o aparecimento de lesões”, completa Adriano Bastos. Além disso, consultar um profissional de educação física pode te ajudar a refinar a prática e evitar lesões.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

SAÚDE

Planos de saúde passarão a cobrir transplantes de fígado

Published

on

Médica atuando em cirurgia
Artur Tumasjan / Unsplash

Médica atuando em cirurgia


O transplante de fígado para o tratamento de pacientes com doença hepática, contemplados com a disponibilização do órgão por meio de fila única do Sistema Único de Saúde (SUS), passará a ter cobertura obrigatória pelos planos de saúde.

A decisão foi anunciada hoje (30) pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e passará a integrar o rol da agência a partir de sua publicação no Diário Oficial da União(DOU), prevista para segunda-feira (3).

A Diretoria Colegiada da ANS aprovou também nesta sexta-feira a inclusão do medicamento Regorafenibe, para o tratamento de pacientes com câncer colorretal avançado ou metastático, no rol de procedimentos e eventos em saúde.

De acordo com a ANS, as tecnologias cumpriram os requisitos previstos em norma e passaram por todo o processo de avaliação e incorporação após serem apresentadas por meio do FormRol, o processo continuado de avaliação da agência, cuja análise é baseada em avaliação de tecnologias em saúde. Trata-se de um sistema de excelência que prima pela saúde baseada em evidências.

As tecnologias também discutidas em reuniões técnicas da Comissão de Atualização do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde Suplementar (Cosaúde), realizadas entre junho e setembro deste ano, com ampla participação social.

Leia Também:  Brasil tem 21 casos confirmados de varíola dos macacos, diz Saúde

Ajustes

Para assegurar cobertura aos procedimentos vinculados ao transplante hepático, foram realizados ajustes ao Anexo I do Rol, que traz a listagem dos procedimentos cobertos, incluídos procedimentos para o acompanhamento clínico ambulatorial e para o período de internação do paciente, bem como os testes para detecção quantitativa por PCR (proteína C reativa) do citomegalovírus e vírus Epstein Barr.

As reuniões técnicas da Cosaúde contaram com representantes do Ministério da Saúde e da Central Nacional de Transplantes, visando assegurar que o transplante seguirá sua cobertura conforme a situação do paciente na fila única nacional gerida pelo SUS e de acordo com os processos definidos pelo Sistema Nacional de Transplantes.

Outros medicamentos

A diretoria da ANS aprovou ainda a inclusão de outros quatro medicamentos no rol de procedimentos. Trata-se de antifúngicos que podem ter uso sob regime de administração injetável ambulatorial e que possibilitam a desospitalização de pacientes em um contexto de aumento de micoses profundas graves como resultado da pandemia de covid-19.


Os medicamentos são Voriconazol, para pacientes com aspergilose invasiva; Anfotericina B lipossomal, para tratamento da mucormicose na forma rino-órbito-cerebral; Isavuconazol, para tratamento em pacientes com mucormicose; e Anidulafungina, para o tratamento de candidemia e outras formas de candidíase invasiva.

A ANS destacou que esta é a 13ª atualização do rol em 2022. Somente este ano, foram incorporados à lista de coberturas obrigatórias 12 procedimentos e 25 medicamentos, bem como ampliações importantes para pacientes com transtornos de desenvolvimento global, como o transtorno do espectro autista, além do fim dos limites para consultas e sessões de psicologia, fonoaudiologia, terapia ocupacional e fisioterapia, desde que sob indicação médica.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI