SAÚDE

Secretários de saúde entregarão carta aos candidatos à Presidência

Published

on

 UTI do hospital Vila Nova Cachoeirinha, na zona norte de São Paulo
Gustavo Basso/Creative Commons

UTI do hospital Vila Nova Cachoeirinha, na zona norte de São Paulo

O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) elaborou uma série de propostas que pretendem entregar aos candidatos à Presidência. Entre elas, as principais são a revogação do teto de gastos do governo, e o aumento orçamentário federal para a saúde de forma escalonada.

Atualmente em 1,7% do Produto Interno Bruto (PIB), a sugestão é chegar a 2,9% até 2026, totalizando 5%, com meta de alcançar 6% em dez anos. Essa marca foi estipulada pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), representante da Organização Mundial da Saúde (OMS) nas Américas, para o continente.

Segundo os gestores, o Brasil gasta menos em saúde pública do que privada, quando comparado a outros países com programas parecidos com o SUS.

“O enfraquecimento do SUS, decorrente da redução progressiva no financiamento federal, tem levado famílias a terem que gastar mais recursos do próprio bolso para acessar serviços privados de saúde em situações de emergência (gasto catastrófico). Além de agravar o empobrecimento da população, piorando a economia brasileira, esse fenômeno deteriora a situação de saúde e aumenta as inequidades no país”, afirma o documento.

Leia Também:  Ex deputado Raimundinho da Saúde é nomeado presidente do Saerb

Outro ponto de destaque é a realização de uma reforma tributária “que permita uma distribuição mais justa da arrecadação” e “capaz de fortalecer a descentralização e de garantir condições necessárias para a execução de políticas públicas”. 

O objetivo é fazer uma revisão em como os tributos são destinados aos estados e ao Distrito Federal “para garantir à população brasileira o direito à saúde”.

Os gestores planejam entregar a carta a todos os candidatos até 15 de agosto, a sete semanas do primeiro turno das eleições. O primeiro presidenciável a receber será Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nesta sexta-feira, em São Paulo. O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) deve receber em seguida. Os dois já defenderam acabar com o teto de gastos, aprovado no governo de Michel Temer (MDB), caso eleitos.

O presidente Jair Bolsonaro (PL) também já afirmou que pretende alterar a emenda — que sofreu sucessivos dribles em sua gestão, como a aprovação da PEC Eleitoral, que permite gasto adicional de R$ 41,2 bilhões fora do previsto no Orçamento federal — num eventual segundo mandato. Já a senadora e candidata à presidente Simone Tebet (MDB) defendeu que a norma permaneça em vigor, assim como Felipe d’Avila (Novo), mas que ganhe flexibilidade.

Leia Também:  Deputada infectada: café da manhã todo dia com secretários, churrasco para André Maia e servidores em pânico

Com dez eixos temáticos e 30 propostas para a saúde pública brasileira, o documento elaborado pelo Conass é subscrito por todos os 27 secretários de Saúde dos estados e do Distrito Federal. Um dos pedidos inclui a elaboração do Pacto Emergencial pelo SUS, com ações para os 100 primeiros dias de gestão. 

Outro acordo seria feito para os quatro anos de governo, com o objetivo de ampliar e de modernizar a rede pública. A ideia é traçar, ainda, um plano com metas para os dez anos seguintes.

Os secretários defendem que a Estratégia Saúde da Família (ESF) ganhe protagonismo no SUS, modernizando a Atenção Primária à Saúde (APS). A área reúne os cuidados de saúde primários, como prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação, entre outros.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

SAÚDE

Varíola dos macacos: entidades criticam estigma a homossexuais

Published

on

Transmissão da varíola dos macacos tem sido muito associada aos homossexuais
Divulgação

Transmissão da varíola dos macacos tem sido muito associada aos homossexuais

A contaminação pela varíola dos macacos vem se espalhando pelo mundo e trazendo um problema já observado historicamente, quando surgiram os primeiros casos de HIV. Chamada na década de 80 por diversos nomes pejorativos relacionados a homossexualidade, a Aids carregou por anos essa estigmatização.

No último dia 1º, um editorial publicado na Revista Brasileira de Enfermagem alerta para a repetição desse risco, pois o olhar discriminatório ao paciente contaminado com a varíola dos macacos pode prejudicar o tratamento, protelando o seu diagnóstico e até mesmo a procura por cuidados com a saúde.

“O fato de relacionar a orientação sexual com o vírus Monkeypox não faz qualquer sentido, já que existem opções de comunicação que se podem mostrar igualmente efetivas, como, por exemplo, focar na prática de relações sexuais entre indivíduos infectados, sem categorizar sexualidades ou práticas em específicos, assumindo uma posição globalizada das ações sanitárias e de controle epidemiológico”, diz o texto.

Leia Também:  Entenda como a violência doméstica atinge mulheres lésbicas, bissexuais e trans

A própria agência das Nações Unidas para a Aids mostrou preocupação com o fato de a mídia ter reforçado estereótipos homofóbicos e racistas na divulgação de informações em torno da varíola dos macacos .

A monkeypox , como é conhecida internacionalmente, não é uma infecção sexualmente transmissível, embora possa se espalhar pelo contato íntimo durante as relações sexuais, quando existe erupção cutânea ativa.

Veja, abaixo, mais detalhes de como a varíola dos macacos pode ser transmitida
Reprodução/Twitter

Veja, abaixo, mais detalhes de como a varíola dos macacos pode ser transmitida

A infecção é transmitida a partir das feridas, fluidos corporais e gotículas de uma pessoa doente. Isso pode ocorrer mediante contato próximo e prolongado sem proteção respiratória, contato com objetos contaminados ou contato com a pele.

Foi o que ocorreu com o professor de inglês Peter Branch, de 48 anos. Ele e seu companheiro moram na capital paulista e foram infectados pela doença. O britânico, que vive no Brasil há mais de 9 anos, queixa-se do preconceito envolvendo a enfermidade.

“Fomos infectados indo a um bar heterossexual. Acho que o mais grave é que homens e mulheres heterossexuais não estão prestando atenção aos sintomas e, portanto, infectando os outros também”, disse. “O que incomoda é que as pessoas pensam que isso é só na comunidade gay ”, completou.

Leia Também:  Ex deputado Raimundinho da Saúde é nomeado presidente do Saerb

Ele conta que apresentou febre, dor de cabeça, cansaço, e que as lesões surgiram depois. Ele recebeu atendimento no Instituto de Infectologia Emílio Ribas. “As manchas doeram um pouco, o chato foi o isolamento, não poder brincar com meus cachorros”. Peter já se sente bem e acompanha a recuperação de seu companheiro.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI