SAÚDE

Surto de Covid: Coreia do Norte registra mais 21 mortes

Published

on

source
Informação foi divulgada pelos veículos de imprensa oficiais do governo
Reprodução

Informação foi divulgada pelos veículos de imprensa oficiais do governo

A Coreia do Norte confirmou neste sábado (14)  mais 21 mortes e anunciou que mais 174,4 mil pessoas foram diagnosticadas com “estado febril” em todo o país, que enfrenta um surto de Covid-19.

Os números foram divulgados pela agência de notícias oficial KCNA, após uma reunião do comitê central do Partido dos Trabalhadores da Coreia, presidida pelo líder Kim Jong-un, que definiu o novo coronavírus como “uma grande convulsão” no país.

Essa é a primeira vez desde o início da pandemia que o regime de Pyongyang admite a existência de um surto de coronavírus. De acordo com o governo, mais de 524 mil pessoas tiveram febre desde o fim de abril, com 27 óbitos no total.


No entanto, as autoridades não especificam quantos desses indivíduos foram diagnosticados com Covid-19. Kim já impôs um lockdown nacional para conter o surto, mas a Coreia do Norte enfrenta carências crônicas de medicamentos e itens básicos em seu sistema sanitário.

Sem vacinas, testes ou remédios antivirais, o país teria sérias dificuldades para gerir uma epidemia. A vizinha Coreia do Sul já ofereceu a doação de imunizantes anti-Covid para o Norte, mas Pyongyang ainda não respondeu.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

SAÚDE

Adenovírus 41: conheça o ‘suspeito’ por surto de ‘hepatite misteriosa’

Published

on

source
Adenovírus 41: Saiba qual é o ‘suspeito’ por epidemia de ‘hepatite misteriosa’
Testalize.me / Unsplash

Adenovírus 41: Saiba qual é o ‘suspeito’ por epidemia de ‘hepatite misteriosa’

Uma pesquisa realizada pelo Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças apontou uma possível associação entre os recentes casos de um tipo misterioso de hepatite e infecções causadas pelo adenovírus 41. O microrganismo foi identificado na maioria dos casos registrados no Reino Unido (72%), na Europa (mais de 60%) e nos Estados Unidos (mais de 50%).

Segundo a publicação, “a etiologia (estudo da causa e da origem de um fenômeno) e os mecanismos patogenéticos da doença ainda estão sob investigação”, mas uma possível associação entre os casos de infecção atual e o adenovírus foi encontrada, principalmente nos casos relatados no Reino Unido. No entanto, o estudo destaca que “outras hipóteses e possíveis cofatores estão sob investigação”.

Para o levantamento, foram analisados casos suspeitos em todo o mundo até o dia 10 de maio. Casos da inflamação do fígado já foram relatados em mais de 25 países, embora a maioria esteja concentrada no Reino Unido (com cerca de 160) e nos Estados Unidos (cerca de 110), com a maioria dos registros ocorrendo em crianças com menos de 5 anos.

Segundo a rede de TV “NBC News”, Markus Buchfellner, bolsista de doenças infecciosas pediátricas da Universidade do Alabama, em Birmingham, teria sido o primeiro a notar o padrão incomum da hepatite misteriosa em crianças americanas e a denunciar tais ocorrências ao Centro de Controle e Prevenção de Doenças do país (CDC).

Leia Também:  Chefe de gabinete do presidente do Idaf morre por Covid no Santa Juliana

Ele e outros especialistas passaram a pesquisar se o isolamento, consequente da pandemia de Covid, teria resultado na redução da exposição aos adenovírus em geral, o que tornaria as crianças mais vulneráveis à nova variante.

Os especialistas, contudo, não descartam a possibilidade de que a Covid possa, também, ser um “contribuinte subjacente”, uma vez que a onda de casos parece ter surgido durante a pandemia.

“[amostras de tecidos coletadas no Reino Unido] mostram nenhuma das características típicas que você poderia esperar com uma inflamação do fígado devido ao adenovírus, mas estamos aguardando exames adicionais de biópsias”, disse Phillipa Easterbrook, cientista sênior da OMS.

No Brasil, os casos foram registrados em sete estados. São Paulo é o que concentra a maioria deles, oito no total. Em seguida, aparecem Rio de Janeiro, com sete; Minas Gerais, com quatro; e Paraná, com três. Espírito Santo, Santa Catarina e Pernambuco têm dois casos cada.

O Ministério da Saúde orienta que os profissionais da área façam notificações imediatas de casos suspeitos, e informou que “os Centros de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (Cievs) e a Rede Nacional de Vigilância Hospitalar (Renaveh) monitoram qualquer alteração do perfil epidemiológico”.

Leia Também:  Covid-19: MPF recomenda que Estado e municípios do AC aceitem repasse para assistência a migrantes e pessoas em situação de rua

Entre os sintomas, as crianças apresentam náusea, vômito, icterícia (pele e olhos amarelados), febre, dor abdominal, dores musculares entre outros. A chamada “hepatite misteriosa” foi identificada pela primeira vez no Reino Unido, no mês passado. Desde então, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) já identificou mais de 200 casos em todo o mundo.

Como O GLOBO mostrou, o primeiro caso possível da doença foi notificado em Niterói em uma criança de três anos. Um dos pacientes cujo caso está sob investigação teve de realizar um transplante de fígado. A doença é causada por uma inflamação no fígado. Até o momento, no entanto, não se sabe o que origina a inflamação uma vez que não os vírus causadores das hepatites A, B, C, D ou E não foram encontrados nas amostras. A suspeita é que a hepatite misteriosa seja originada por um adenovírus.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI