SAÚDE

Varíola dos macacos: saiba quais são os sintomas e como é transmitida a doença

Published

on

source
Varíola dos macacos: saiba quais são os sintomas e como é transmitida a doença
Vitoria Rondon

Varíola dos macacos: saiba quais são os sintomas e como é transmitida a doença

Infectologista esclarece dúvidas e explica como se proteger da doença causada pelo vírus Monkeypox

Com casos confirmados em diversos países, inclusive no Brasil, a varíola dos macacos tem preocupado as autoridades de saúde. Isso porque o alerta sobre o surgimento de uma nova doença tem gerado alvoroço entre a população, que ainda desconhece a enfermidade e os seus efeitos.

Apesar disso, segundo informações do Instituto Butantan, entre 2018 e 2021 foram relatados 7 casos de varíola dos macacos no Reino Unido, principalmente em pessoas com histórico de viagens entre os países endêmicos, mas, somente este ano, o surto ganhou força e se espalhou ao redor do mundo. 

> Asma: tipos, causas, sintomas e tratamentos

O que é a varíola dos macacos? 

Segundo a infectologista Ana Carolina Andrade, a varíola dos macacos é uma zoonose, isto é, uma doença infectocontagiosa transmitida de animais para humanos, causada pelo vírus Monkeypox. Este vírus, por sua vez, pertence à família orthopoxvírus, a mesma do vírus da varíola dos seres humanos, erradicada em 1980. “Embora inicialmente descoberto em macacos, a maioria dos animais suscetíveis a este tipo de varíola são os roedores, como ratos, cão-da-pradaria, esquilos e arganazes”, explica a médica. 

Quais são os sintomas da doença?

Conforme explica Ana Carolina, os sintomas da doença incluem febre, dor de cabeça, dores musculares e no corpo, dor nas costas, calafrios e fraqueza intensa. Além do surgimento de bolhas e lesões na pele, parecidas com catapora ou sífilis, que formam uma crosta e depois caem. “Essas lesões geralmente se iniciam na cabeça e depois se espalham, podem acometer as regiões genitais e podem ser dolorosas ou estarem associadas a prurido”, afirma a infectologista. 

Leia Também:  Pesquisadores conseguem criar espermatozoides em laboratório no Japão

Como ocorre a transmissão? 

Apesar da erradicação da varíola dos seres humanos em 1980, a varíola dos macacos continua a ser transmitida na África do Sul e na África Central, em que, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), o vírus se divide em dois, sendo a taxa de mortalidade da África Ocidental de 1% e da África Central de 10%. 

Até o momento, a fonte de infecção dos recentes casos ainda não foi confirmada pela OMS. Mas, no geral, a médica infectologista explica que a transmissão de humano para humano ocorre por meio do contato físico com pessoas sintomáticas. 

“[O vírus] pode ser transmitido por contato com fluidos corporais, lesões na pele ou em superfícies de mucosas internas, como boca ou garganta, gotículas respiratórias e objetos contaminados, como roupa de cama. Portanto, pode ser transmitida pelo beijo, abraço e relação sexual”, diz Ana Carolina Andrade. 

> Entenda por que noites mal dormidas podem prejudicar o funcionamento do corpo

Diagnóstico da varíola dos macacos 

De acordo com a infectologista, o diagnóstico da doença é realizado por meio da detecção de DNA viral em fluidos corporais ou por amostras de pele (lesões cutâneas) obtidas por meio de biópsias. A médica explica ainda que a incubação da doença corresponde ao período de contato com o vírus até os primeiros sintomas e tem uma média de 6 a 13 dias, mas que pode variar entre 5 e 21. 

Leia Também:  Varíola: secretário de Saúde diz que não há confirmação de caso em SP

Existe vacina contra a varíola dos macacos ?

Dados da OMS mostram que a vacina contra a varíola dos seres humanos é eficaz também contra a varíola do macacos. No entanto, não é mais aplicada na população, assim, pessoas com menos de 40 ou 50 anos não se vacinaram e estão sujeitas a terem a doença. 

Apesar disso, segundo dados do Instituto Butantan, uma vacina denominada ‘MVA-BN’ e um tratamento específico chamado ‘Tecovirimat’ foram aprovados em 2019 e 2022, mas ainda não estão disponíveis para a população de todo o mundo.  

Como se prevenir da varíola dos macacos ?

Para evitar o contágio é importante ficar longe de animais doentes, como os macacos e os roedores citados anteriormente. Além disso, higienizar sempre as mãos com água e sabão ou álcool em gel para eliminar qualquer tipo de vírus, usar máscara e evitar o contato com pessoas com suspeita da doença. 

Confira mais conteúdos na revista ‘Cuidando da saúde’

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

SAÚDE

Covid: Vacinas salvaram 20 milhões de vidas em um ano, aponta estudo

Published

on

source
Covid: Vacinas salvaram 20 milhões de vidas em um ano, aponta estudo
LuAnn Hunt/Pixabay

Covid: Vacinas salvaram 20 milhões de vidas em um ano, aponta estudo

As vacinas contra a Covi-19 salvaram quase 20 milhões de vidas durante o primeiro ano de sua existência, segundo estimativas feitas por pesquisadores do Imperial College London. O estudo foi publicado na revista The Lancet Infectious Diseases. Os cientistas consideraram os imunizantes da Pfizer, AstraZeneca e Moderna.

O trabalho calculou os benefícios das vacinas e chegou à conclusão de que os imunizantes salvaram 19,8 milhões de vidas em 185 países nos primeiros 12 meses de uso. Os cientistas estimaram que 12,2 milhões de vidas foram salvas em países ricos e mais 7,5 milhões de vidas foram salvas em países cobertos pela iniciativa Covid-19 Vaccine Access (Covax), projetada para fornecer vacinas a nações mais pobres.

No entanto, os pesquisadores também descobriram que mais 600 mil mortes poderiam ter sido evitadas se a meta da Organização Mundial da Saúde (OMS) de vacinar 40% da população em todos os países até o final de 2021 fosse cumprida.A maioria das mortes evitáveis ocorreu no continente africano. Atualmente, apenas 60% da população mundial recebeu as duas doses primárias de uma vacina contra a Covid.

Leia Também:  Rio Branco tem 150 taxi lotação irregulares; saiba os motivos

Das vidas salvas, os especialistas estimam que 15,5 milhões delas foram resultado dos imunizantes que protegem contra sintomas graves de Covid. Estima-se que outras 4,3 milhões de mortes foram evitadas indiretamente pelas vacinas de Covid, ajudando a reduzir a transmissão e impedindo a sobrecarga dos sistemas de saúde.

No estudo, os pesquisadores afirmam que a aplicação das vacinas representou uma redução global de 63% no total de mortes (19,8 milhões de 31,4 milhões) durante o primeiro ano de vacinação contra a Covid-19.

O estudo analisou dados sobre taxas de vacinação, mortes por Covid e excesso de registros de óbitos. Especialistas da Universidade Johns Hopkins estimam que 6,3 milhões de pessoas morreram de Covid em todo o mundo. Enquanto isso, cerca de 11,6 bilhões de imunizantes foram entregues.

“A alta proteção em nível individual contra doenças graves e mortalidade devido à Covid-19, bem como o benefício em nível populacional proporcionado pela proteção leve contra a infecção pelo coronavírus (antes do surgimento da variante Ômicron), conferida pela vacinação, alterou fundamentalmente o curso da pandemia de Covid-19”, escreveram os pesquisadores no estudo.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI