Sem Categoria

Adulteração em cilindro matou idosa por asfixia em Cruzeiro do Sul

Published

on

Em maio de 2016, em depoimento na sede da Polícia Federal, em Cruzeiro do Sul, a administradora da Casa do idoso naquela cidade, Rita Feltztas Riling, admitiu o registro de uma morte supostamente atribuída à falta de oxigênio. A paciente Alda Rodrigues da Silva, que estava internada no Abrigo Vicentino e possuía diversos problemas de saúde, inclusive respiratórios, utilizava esporadicamente oxigênio por máscara de venturi. Com a saúde em risco, lhe foi orientado que usasse oxigênio durante uma semana, sem pausas.
“O último cilindro utilizado por Dona Alda foi trocado no dia do falecimento, em 16 de março, por volta das. Porém, diz Rita, os cilindros recebidos pela Secretaria de Saúde Estadual nunca estavam completos, pois percebia pelo som emitido. Quando a gente batia com as mãos no cilindro fazia um eco diferente do totalmente cheio. Era possível observar que havia uma quantidade reduzida do produto”, afirmou
A administradora do abrigo disse ao delegado federal Flávio Henrique de Avelar que chegou a comentar com algumas pessoas sobre tal fato. “Falei uma vez com uma pessoa da Secretária de Saúde (dentro da própria Secretaria) que os cilindros não estavam cheios e a pessoa afirmou que sabia de tudo”. Rita, no entanto, não lembra com quem exatamente conversou na Sesacre.
Ao delegado, Rita afirmou que os cilindros que deveriam chegar com pressão de 200 lbs, mas davam entrada no abrigo com 150, conferidos pelo manômetro do Abrigo (equipamento novo).
Dona Alda estava acionótica (rosto, lábios, pontas dos dedos roxos), sendo que as pernas tambérn estavam roxas, corno se o oxigênio lhe estivesse faltado
Especialistas ouvidos pela Polícia Federal informaram que um cilindro grande com dez litros dura de um dia a um dia meio aproximadamente; os cilindros encaminhados ao abrigo, disse Rita, não duravam uma noite inteira com o paciente. No dia 16 de malo de 2016, a PF verificou, em nova diligência junto ao SAMU. A resposta foi positiva. O gás medicinal fornecido pela Sesacre estava em falta há sete meses, segundo informou a direção do Samu.
Ao questionar sobre os motivos, a PF foi informada que a empresa carregada de encher e fazer a entrega dos cilindros constantemente atrasava, bem corno os cilindros nunca estavam devidamente cheios. Margareth, a servidora que atendeu os federais, afirmou que, diante dos fatos, o Samu começou a encher os cilindros no próprio Hospital da Mulher e da Criança do Juruá.
“Os cilindros para o SAMU deveriam ser completados e entregues pela empresa que venceu a licitação. Durante as diligencias da PF em Rio Branco/AC, foi confirmado que Wellington e Mario Odon se relacionam com o senhor Rosicleudo da Silva Veloso, da Comissão Permanente de Licitações, inclusive dependendo de supostos favores dele”, diz o relatório de auditoria da PF.
Segundo investigação da Polícia Federal, o envazamento dos cilindros sofria variações criminosas. Veja reportagens completas no portal acjornal.com)

Leia Também:  Cruzeiro é 2º com maior possibilidade de rebaixamento para a Série C, diz UFMG

COMENTE ABAIXO:
Advertisement
Click to comment

You must be logged in to post a comment Login

Leave a Reply

manchete

Com 75% das escolas fechadas devido à greve, prefeito de Rio Branco recua e propõe pagar piso em duas parcelas

Published

on

O impasse entre a Prefeitura de Rio Branco e os servidores da rede pública de Educação continua e cerca de 75% das escolas seguem sem aulas na capital por conta da greve. Nesta terça-feira (29), o prefeito Tião Bocalom afirmou que recuou e que vai pagar o piso aos professores em duas parcelas ainda este ano.
Esta era uma das pautas dos trabalhadores, mas, segundo a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Acre (Sinteac), Rosana Nascimento, a proposta ainda não foi formalizada e entregue ao sindicato e, pelo que foi divulgado, ela não contempla o que a categoria tem pedido. Por isso, a greve está mantida.
Os servidores municipais de Educação estão em greve desde o dia 24 do mês passado. Desde então, a categoria tem feito vários protestos pela cidade, inclusive junto com servidores da Educação estadual, que também estão com as atividades paralisadas.
A categoria pede:
– Reformulação de Plano de Cargo Carreira e Remuneração (PCCR);
– Piso nas carreiras aos professores, com 50% de diferença do nível médio para superior;
– Piso de uma única parcela aos professores;
– Piso dos funcionários de escolas que é de R$ 1.400, a proposta do Sinteac é de R$ 1.956;
– E se coloca contra a proposta da prefeitura de aumentar tempo de serviço para progressão salarial;
– Convocação efetiva do concurso de 2018.
A categoria voltou a protestar nesta terça em frente à Câmara de Vereadores de Rio Branco.
“A categoria disse que aceitaria o pagamento do piso em até duas parcelas. Além disso, que fosse avançada a pauta dos funcionários de escola, com piso de R$ 1,7 mil e R$ 1,8 mil. Aí, o prefeito está avançando com professores, mas não avançou com funcionários de apoio. Nós construímos algo com a categoria, que só vai sair da greve, avançando tanto na proposta dos professores como dos funcionários. Nós já abrimos mão demais”, disse Rosana.
Fonte: G1 Acre

Leia Também:  Membro do CV que matou bebê de 1 ano e 8 meses explicará o inexplicável em sessão do Tribunal do Juri, neste 4ª

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI