Sem Categoria

Com mais R$ 385 mi do Basa, governo enaltece cadeia produtiva; mas reveja o que pensam os extrativistas da Resex Chico Mendes

Published

on


A assessoria do governador fez veicular notícia em que afirma: o fortalecimento da cadeia produtiva do Acre tem sido uma das políticas pública de maior resultado prático do governador Tião Viana. A informação é consequência de uma cooperação assinada entre Tião e o presidente do Basa, Everaldo Lima, com objetivo de repassar R$ 385 milhões ao estado.
O acjornal reproduz entrevista com o novo presidente da Resex Chico Mendes, José Maria, o “açúcar”, para quem as famílias daquela região convicem há duas décadas com ilusões, humilhações e mentiras”. A entrevista foi feita em 29 de janeiro deste ano. Leia:
A transformação social prometida pelo governo do PT dentro da Reserva Extrativista Chico Mendes foi uma ilusão, vendida junto com a imagem do líder assassinado,  avalia o presidente recém eleito da Resex, José Maria, o “açúcar”. Segundo ele, “são mais de duas décadas de pura enganação. A energia convencional do Luz Pra Todos nunca chegou. As placas solares não vieram. O tal fogão gerador de energia desenvolvido pela Funtac foi conversa fiada. A Fábrica de Preservativos usa matéria prima de outro lugar, menos a nossa, deixando um rastro de frustração e uma certeza de falência total das famílias que moram aqui. Esse papo de florestania só serviu para e eleger o grupo do PT”, criticou. “E eles estão querendo entrar aqui com essa mesma conversa. Nós não podemos permitir que isso se repita”.
“O Instituto Chico Mendes age com repressão extrema. Famílias tiveram suas árvores sequestradas e casas de carvão derrubadas. A castanha hoje está 50 reais a lata in natura, um preço congelado pela Cooperacre, que tem o Estado como padrinho forte. Prometeram que todos iriam ter valor agregado, com suas estradas de seringa abertas. Isso nunca ocorreu. Na verdade, venderam ilusão para essa gente que está cada vez mais dependente de um bezerro para sobreviver”, afirmou.
“Não se pode desmatar. Aqui ao lado de minhas terras, um seringueiro que derrubou quatro hectares ao invés de duas foi multado em R$ 400 mil, sendo que a propriedade dele não vale mais que R$ 40 mil. A produção vem de onde se não temos subsídios, ramais e assistência? Nenhum desses projetos criados ao longo de 20 anos deu certo. Aí na cidade, a propaganda oficial diz que na Unidade de Conservação Chico Mendes cerca de 10 mil pessoas tiram seu sustento da coleta de produtos florestais, da pequena agricultura de subsistência e da pecuária em pequena escala. É mentira”, reagiu o extrativista.
O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Epitaciolândia (STR), Sebastião Ferreira de Oliveira, informa que os extrativistas da região tinham a esperança de o preço da castanha in natura subisse a, pelo menos, R$ 170,00 a lata. Mas esta esperança acabou se resumindo a mais uma frustração. “Enfrentamos a concorrência da Bolívia e do Peru. Assim fica difícil. Não tem como haver incentivo se a Cooperacre age dessa forma. O preço de R4 50,00 chega a ser uma humilhação”.
O seringueiro que dependia do extrativismo está comendo alimenta graças à sua aposentadoria. É o caso do seu Manoel Francisco Gomes de Souza, que vive na Resex desde 1980, na Colocação Retiro, e tem com 9 filhos. “Vendi mais de 2 mil quilos de borracha para a Natex, mas nunca recebi o subsídio federal e estadual. Hoje estou melhor por que estou aposentado. Escapei da morte por não ter dinheiro para me tratar. Esse dinheiro me faz falta. Me dói a cabeça de lembrar que trabalhei feito um condenado achando que seria compensado. Só sei que alguém ganhou no meu lugar e eu estou aqui, praticamente inválido”, disse seu Manoel Gomes.

Os extrativistas estão proibidos de criar mais de 30 cabeças de gado por propriedade. “Na hora do aperto nós só temos um bezerro para vender”, diz seu Manoel. “Nenhuma família está vendendo látex aqui na Resex. Não temos preço, não temos ramal de qualidade”, concluiu. A região afetada por um nível de falência irreversível abrange as áreas rurais de Brasiléia e Epiotaciolândia, municípios sob a jurisdição da Amoprebe, a Associação dos Moradores e Produtores da Reserva Extrativista Chico Mendes de Brasiléia e Epitaciolândia, que foi controlada por duas décadas por grupos ligados ao Partido dos Trabalhadores e, agora, tem gerenciamento.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Secretário e demais agentes de segurança são alertados sobre revanche de facções após execução no Quinari
Advertisement
Click to comment

You must be logged in to post a comment Login

Leave a Reply

manchete

Com 75% das escolas fechadas devido à greve, prefeito de Rio Branco recua e propõe pagar piso em duas parcelas

Published

on

O impasse entre a Prefeitura de Rio Branco e os servidores da rede pública de Educação continua e cerca de 75% das escolas seguem sem aulas na capital por conta da greve. Nesta terça-feira (29), o prefeito Tião Bocalom afirmou que recuou e que vai pagar o piso aos professores em duas parcelas ainda este ano.
Esta era uma das pautas dos trabalhadores, mas, segundo a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Acre (Sinteac), Rosana Nascimento, a proposta ainda não foi formalizada e entregue ao sindicato e, pelo que foi divulgado, ela não contempla o que a categoria tem pedido. Por isso, a greve está mantida.
Os servidores municipais de Educação estão em greve desde o dia 24 do mês passado. Desde então, a categoria tem feito vários protestos pela cidade, inclusive junto com servidores da Educação estadual, que também estão com as atividades paralisadas.
A categoria pede:
– Reformulação de Plano de Cargo Carreira e Remuneração (PCCR);
– Piso nas carreiras aos professores, com 50% de diferença do nível médio para superior;
– Piso de uma única parcela aos professores;
– Piso dos funcionários de escolas que é de R$ 1.400, a proposta do Sinteac é de R$ 1.956;
– E se coloca contra a proposta da prefeitura de aumentar tempo de serviço para progressão salarial;
– Convocação efetiva do concurso de 2018.
A categoria voltou a protestar nesta terça em frente à Câmara de Vereadores de Rio Branco.
“A categoria disse que aceitaria o pagamento do piso em até duas parcelas. Além disso, que fosse avançada a pauta dos funcionários de escola, com piso de R$ 1,7 mil e R$ 1,8 mil. Aí, o prefeito está avançando com professores, mas não avançou com funcionários de apoio. Nós construímos algo com a categoria, que só vai sair da greve, avançando tanto na proposta dos professores como dos funcionários. Nós já abrimos mão demais”, disse Rosana.
Fonte: G1 Acre

Leia Também:  Maioria absoluta aprova como Governo Gladson Cameli está enfrentando a pandemia

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI