Sem Categoria

Cozinheira apresenta receitas típicas do Acre em SP

Published

on

Até o dia 10 de setembro, o restaurante Mirante Efêmero , localizado no Mirante 9 de Julho, vai trazer delícias típicas do Norte no cardápio. Isso porque a acreana Amanda Vasconcelos, cozinheira à frente do Tucupi Food , projeto gastronômico que atua em SP desde 2015, está assumindo as panelas do local.
“A ideia inicial do Tucupi era colocar o tempero do Norte em pratos clássicos como o ceviche peruano e os charutos de uva libaneses. Mas, após os primeiros eventos, percebemos que o público estava mais interessado em descobrir a culinária do Acre, já que as pessoas ainda conhecem pouco sobre a nossa cultura aqui no Sudeste”, conta a cozinheira.

CARDÁPIO DO FESTIVAL

A Baixaria (R$ 22; foto acima) , por exemplo, é uma receita típica dos mercados acreanos, feita com cuscuz de milho, carne moída, saladinha de tomate com cebolinha e ovo frito com gema mole. Em São Paulo, o prato ganhou também uma versão vegana, batizada por Amanda comoSantidade (R$ 25). ” Substituí a carne por cogumelos e o ovo por banana e o prato ficou bem equilibrado para atender ao público vegano, que vem crescendo a cada evento nosso “, explica ela.
Amanda também oferece outras opções vegetarianas e veganas, como aManiçoba . A receita tradicional do prato (R$ 28) também é servida pela cozinheira e leva folhas de mandioca moídas e cozidas por uma semana, carnes bovinas e suínas, farinha do Acre e arroz branco. Na Maniçoba vegana (R$ 28), as carnes foram substituídas por lentilha, grão de bico e castanha-do-pará.
O Arroz Paraense (R$ 28), feito com folhas de jambu e camarão seco e oArroz de Pato (R$ 28), cozido no tucupi com jambu e carne de pato desfiada, completam as opções de pratos principais fixas do cardápio. A cada dia da semana, porém, o menu ganha novidades, como o Acreviche(R$ 22), versão nortista do ceviche peruano servida às terças-feiras, oVatapá (R$ 22), servido às quartas, a Galinha Picante (R$ 22), sugestão das quintas e o Baião de Dois (R$ 22), oferecido às sextas-feiras.
Aos fins de semana, a estrela da vez é o Tacacá (R$ 25), caldo emblemático do norte do país, feito com a goma da mandioca, tucupi (caldo extraído da mandioca brava), jambu (folha exótica que causa dormência na boca) e camarão seco, também servido em sua versão vegana.
Amanda conta que elaborou um cardápio especial para sua temporada no Mirante 9 de Julho, incluindo também drinques como a Caipirinha do Norte , com cachaça de Jambu (R$ 25) e o Tacachaça (R$ 25), inspirado na aparência do Tacacá, além de Gin Tônicas (R$ 28). O cardápio conta ainda com petiscos típicos como quibe de arroz (R$ 18/ 6 und), recheado com carne e queijo e o quibe de macaxeira (R$ 18/6 und).
Boa parte da matéria-prima dos pratos vem direto de Rio Branco e Belém, como o tucupi, o jambu, a goma de tapioca e até o cupuaçu (fruto azedo já bastante popular no Sudeste), que surpreende na calda do cheesecake com castanha-do-pará (R$ 15).
Fonte: Portal Terra
 

Leia Também:  Cooperativa de pães amanhece fechada 24 horas após ser inaugurada, na Sobral

COMENTE ABAIXO:
Advertisement
Click to comment

You must be logged in to post a comment Login

Leave a Reply

manchete

Com 75% das escolas fechadas devido à greve, prefeito de Rio Branco recua e propõe pagar piso em duas parcelas

Published

on

O impasse entre a Prefeitura de Rio Branco e os servidores da rede pública de Educação continua e cerca de 75% das escolas seguem sem aulas na capital por conta da greve. Nesta terça-feira (29), o prefeito Tião Bocalom afirmou que recuou e que vai pagar o piso aos professores em duas parcelas ainda este ano.
Esta era uma das pautas dos trabalhadores, mas, segundo a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Acre (Sinteac), Rosana Nascimento, a proposta ainda não foi formalizada e entregue ao sindicato e, pelo que foi divulgado, ela não contempla o que a categoria tem pedido. Por isso, a greve está mantida.
Os servidores municipais de Educação estão em greve desde o dia 24 do mês passado. Desde então, a categoria tem feito vários protestos pela cidade, inclusive junto com servidores da Educação estadual, que também estão com as atividades paralisadas.
A categoria pede:
– Reformulação de Plano de Cargo Carreira e Remuneração (PCCR);
– Piso nas carreiras aos professores, com 50% de diferença do nível médio para superior;
– Piso de uma única parcela aos professores;
– Piso dos funcionários de escolas que é de R$ 1.400, a proposta do Sinteac é de R$ 1.956;
– E se coloca contra a proposta da prefeitura de aumentar tempo de serviço para progressão salarial;
– Convocação efetiva do concurso de 2018.
A categoria voltou a protestar nesta terça em frente à Câmara de Vereadores de Rio Branco.
“A categoria disse que aceitaria o pagamento do piso em até duas parcelas. Além disso, que fosse avançada a pauta dos funcionários de escola, com piso de R$ 1,7 mil e R$ 1,8 mil. Aí, o prefeito está avançando com professores, mas não avançou com funcionários de apoio. Nós construímos algo com a categoria, que só vai sair da greve, avançando tanto na proposta dos professores como dos funcionários. Nós já abrimos mão demais”, disse Rosana.
Fonte: G1 Acre

Leia Também:  Na falta de defensores, AC paga R$ 20 milhões a advogados dativos, nomeados judicialmente, revela deputada

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI