Sem Categoria

Prefeito de Sena já pagou R$ 121,8 mil a oficina da família de ex-secretário. Município também cobre o aluguel da empresa particular

Published

on

Mazinho (centro) com os dois secretários beneficiados pela sua gestão: um hoteleiro, o outro mecânico


Uma oficina mecânica pertencente à família do ex-secretário Eder Franck já recebeu R$ 121.840,00 da Prefeitura de Sena Madureira na curta gestão Mazinho Serafim (PMDB). Eder era secretário de Administração e Finanças e foi na sua administração que o seu irmão, dono da oficina A. Eleson S. Nobre, ganhou o direito de fazer os reparos nos veículos oficiais. A prefeitura também paga o aluguel, no valor de R$ 10,6 mil, do prédio onde a oficina particular está estabelecida. O endereço é na BR-364, quilômetro 02. A prefeitura autorizou quatro repasses no valor superior a R$ 32 mil num único dia do mês de agosto. Já no último dia de julho, Mazinho Serafim pagou 26 mil à oficina mecânica.

Pagamentos referente ao aluguel do prédio onde funciona a oficina mecânica


As informações, obrigatórias para serem publicadas no Portal Transparência, serão levadas como denúncia, na Câmara Municipal de Sena Madureira, pelo vereador Canarinho (PV).  O parlamentar lembra que esses mesmo serviço era feito na própria Secretaria de Obras com valores 60% menores que os cobrados pela empresa da família de Eder Franck.
Um absurdo. Um verdadeiro desrespeito com o dinheiro público. No passado, se pagava o mesmo serviço com um terço do valor praticado agora. O prefeito ainda diz que não tem dinheiro”, disse Canarinho. “É estranho que, segundo o prefeito, não tem dinheiro para contratar outra van para amenizar o sofrimento de quem precisa realizar as consultas em Rio Branco, mas sobra para beneficiar amigos do poder. Isso é um descaso com o povo de nosso município”, concluiu.
Há alguns dias, o acjornal.com denunciou o pagamento de R$ 83 mil, pela prefeitura, aos hotéis pertencentes á família do secretário Daniel Herculano, o “Danielzinho”. Segundo o Diário Oficial, as hospedagens (que não são detalhadas) são para “manutenção das atividades da secretaria de Administração e Finanças e do gabinete do prefeito”.

 

Leia Também:  Progressistas anunciarão Bestene candidato a prefeito de Rio Branco

COMENTE ABAIXO:
Advertisement
Click to comment

You must be logged in to post a comment Login

Leave a Reply

manchete

Com 75% das escolas fechadas devido à greve, prefeito de Rio Branco recua e propõe pagar piso em duas parcelas

Published

on

O impasse entre a Prefeitura de Rio Branco e os servidores da rede pública de Educação continua e cerca de 75% das escolas seguem sem aulas na capital por conta da greve. Nesta terça-feira (29), o prefeito Tião Bocalom afirmou que recuou e que vai pagar o piso aos professores em duas parcelas ainda este ano.
Esta era uma das pautas dos trabalhadores, mas, segundo a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Acre (Sinteac), Rosana Nascimento, a proposta ainda não foi formalizada e entregue ao sindicato e, pelo que foi divulgado, ela não contempla o que a categoria tem pedido. Por isso, a greve está mantida.
Os servidores municipais de Educação estão em greve desde o dia 24 do mês passado. Desde então, a categoria tem feito vários protestos pela cidade, inclusive junto com servidores da Educação estadual, que também estão com as atividades paralisadas.
A categoria pede:
– Reformulação de Plano de Cargo Carreira e Remuneração (PCCR);
– Piso nas carreiras aos professores, com 50% de diferença do nível médio para superior;
– Piso de uma única parcela aos professores;
– Piso dos funcionários de escolas que é de R$ 1.400, a proposta do Sinteac é de R$ 1.956;
– E se coloca contra a proposta da prefeitura de aumentar tempo de serviço para progressão salarial;
– Convocação efetiva do concurso de 2018.
A categoria voltou a protestar nesta terça em frente à Câmara de Vereadores de Rio Branco.
“A categoria disse que aceitaria o pagamento do piso em até duas parcelas. Além disso, que fosse avançada a pauta dos funcionários de escola, com piso de R$ 1,7 mil e R$ 1,8 mil. Aí, o prefeito está avançando com professores, mas não avançou com funcionários de apoio. Nós construímos algo com a categoria, que só vai sair da greve, avançando tanto na proposta dos professores como dos funcionários. Nós já abrimos mão demais”, disse Rosana.
Fonte: G1 Acre

Leia Também:  Covid: prefeito acreano tem alta; esposa deputada requer atenção especial e sogra está grave em UTI

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI