Sem Categoria

Renan deixa liderança do PMDB e ataca Temer. “Não tenho vocação para marionete”

Published

on

O senador Renan Calheiros (PMDB-AL) anunciou nesta quarta-feira (28) que está deixando a liderança do partido na Casa. O parlamentar, que é ex-presidente do Senado, acusou o governo do presidente Michel Temer (PMDB) de tratar a legenda como “um departamento do Poder Executivo”, de perseguir políticos e de tentar impedir o debate de projetos, como o da reforma trabalhista.
Apesar de ser do mesmo partido de Temer, Renan Calheiros se opõe à atuação do governo. Ele afirmou em discurso na tarde de hoje que a postura do presidente é “é covarde” diante da consolidação do trabalho. “Cabe-nos aceitar a situação ou reagir a ela. De minha parte, não tenho a menor vocação para marionete. O governo não tem credibilidade para conduzir essas reformas exageradas, desproporcionais, que antes de resolver o problema, agravam a questão social.”
O ex-presidente da Casa se disse favorável a reformas que possam recuperar a economia do país, mas criticou a forma como as mudanças são conduzidas. Para ele, a reforma da Previdência é uma proposta para agradar ao sistema financeiro em detrimento dos pobres. Além disso, criticou, o governo tenta impedir o trabalho do Senado de fazer alterações no projeto da reforma trabalhista e quer que o texto seja aprovado exatamente como veio da Câmara dos Deputados. “Estamos diante da degradação do bicameralismo, com a imposição da vontade de uma Casa à outra, sobretudo quando essa vontade é contrária aos direitos das pessoas mais pobres”, denunciou.
Renan disse que o PMDB sempre foi um partido que conviveu pacificamente com correntes ideológicas diferente em seus quadros. A situação, na sua opinião, mudou e houve a formação de um ambiente de intrigas, provocações, ameaças e retaliações do governo a parlamentares que “não seguem a cartilha governamental”. O partido também estaria, de acordo com Renan, se desviando do seu programa, que prevê o compromisso de permanecer ao lado dos trabalhadores.

Leia Também:  MPT converte R$ 31 milhões de ações judiciais em hospital para prevenir câncer no Acre

Eduardo Cunha

Outro ponto duramente criticado pelo ex-líder do PMDB foi a influência do ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), no governo Temer . Para ele, é um engano achar que Cunha está politicamente morto depois de sua prisão já que o ex-parlamentar tem “total influência no governo”, com poder inclusive para nomear ministros e dar ordens de dentro do presídio, “apequenando o presidente”.
“Como mudar o pensamento de um governo comandado por Eduardo Cunha, que, mesmo na prisão, seguia influenciando e – os fatos demonstram – até recebendo dinheiro? Até recebendo dinheiro”, atacou o ex-presidente da Casa.

Futuro

O senador classificou como gravíssima a situação econômica do país, com o aprofundamento da crise. Para ele, é preciso trocar a “ferocidade” por “serenidade e liderança”. O Parlamento, disse, não deve se apegar a cargos e a situações passageiras de poder, mas sim defender os interesses do Brasil com um projeto que possa promover a retomada de investimentos e restabelecer a credibilidade interna e externa do país.
Renan se disse grato pela colaboração dos integrantes do partido enquanto foi líder e prometeu ajudar o próximo a ocupar o posto.
Leia também: Supremo nega novo pedido de liberdade a Rodrigo Rocha Loures
“Devolver a liderança do partido no Senado e aos meus pares, neste momento, não carrega nem sequer um milímetro de ressentimento. É decorrência da dinâmica política e da minha percepção do momento de passar o bastão para outra companheira ou outro companheiro, que, no que for possível, terá a minha total colaboração”, finalizou Renan Calheiros.
Fonte: Último Segundo

Leia Também:  Projeto deixa claro na lei que piso salarial também vale para professores indígenas

COMENTE ABAIXO:
Advertisement
Click to comment

You must be logged in to post a comment Login

Leave a Reply

manchete

Com 75% das escolas fechadas devido à greve, prefeito de Rio Branco recua e propõe pagar piso em duas parcelas

Published

on

O impasse entre a Prefeitura de Rio Branco e os servidores da rede pública de Educação continua e cerca de 75% das escolas seguem sem aulas na capital por conta da greve. Nesta terça-feira (29), o prefeito Tião Bocalom afirmou que recuou e que vai pagar o piso aos professores em duas parcelas ainda este ano.
Esta era uma das pautas dos trabalhadores, mas, segundo a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Acre (Sinteac), Rosana Nascimento, a proposta ainda não foi formalizada e entregue ao sindicato e, pelo que foi divulgado, ela não contempla o que a categoria tem pedido. Por isso, a greve está mantida.
Os servidores municipais de Educação estão em greve desde o dia 24 do mês passado. Desde então, a categoria tem feito vários protestos pela cidade, inclusive junto com servidores da Educação estadual, que também estão com as atividades paralisadas.
A categoria pede:
– Reformulação de Plano de Cargo Carreira e Remuneração (PCCR);
– Piso nas carreiras aos professores, com 50% de diferença do nível médio para superior;
– Piso de uma única parcela aos professores;
– Piso dos funcionários de escolas que é de R$ 1.400, a proposta do Sinteac é de R$ 1.956;
– E se coloca contra a proposta da prefeitura de aumentar tempo de serviço para progressão salarial;
– Convocação efetiva do concurso de 2018.
A categoria voltou a protestar nesta terça em frente à Câmara de Vereadores de Rio Branco.
“A categoria disse que aceitaria o pagamento do piso em até duas parcelas. Além disso, que fosse avançada a pauta dos funcionários de escola, com piso de R$ 1,7 mil e R$ 1,8 mil. Aí, o prefeito está avançando com professores, mas não avançou com funcionários de apoio. Nós construímos algo com a categoria, que só vai sair da greve, avançando tanto na proposta dos professores como dos funcionários. Nós já abrimos mão demais”, disse Rosana.
Fonte: G1 Acre

Leia Também:  Empresário diz à PF que pagou reforma de escritório de Renan Bolsonaro

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI