TECNOLOGIA

Facebook faturou R$ 158 milhões com anúncios falsos em quatro anos

Published

on

Facebook lucra com campanhas de desinformação
Unsplash

Facebook lucra com campanhas de desinformação

Em cerca de quatro anos, o Facebook faturou ao menos US$ 30,3 milhões (cerca de R$ 158 milhões, em conversão direta) em anúncios realizados por redes de comportamento inautêntico coordenado – como campanhas de desinformação -, mostra um levantamento feito pela revista Wired.

Os números são referentes ao período entre julho de 2018 e abril de 2022, e as redes foram posteriormente derrubadas pelo Facebook. Margarita Franklin, chefe de comunicações de segurança da Meta, confirmou à Wired que a receita de anúncios não é devolvida mesmo se os anunciantes forem banidos por ferirem as regras da plataforma.

De acordo com a empresa, nem todo o montante veio de anúncios que, de fato, violavam as regras do Facebook. Parte do dinheiro veio de publicidade autêntica, mas realizada pelas mesmas organizações que foram derrubadas por participarem de redes de comportamento inautêntico coordenado.

Dentre os comportamentos inautênticos com os quais o Facebook vem lucrando nos últimos anos, estão páginas falsas que visam enganar os usuários e, em grande parte dos casos, campanhas de desinformação.

O levantamento da Wired também revela que mais de US$ 22 milhões dos US$ 30,3 milhões foram gastos por apenas sete redes de comportamento inautêntico. Uma única campanha global ligada a um grupo de mídia de direita anti-China rendeu US$ 9,5 milhões aos cofres do Facebook.

Fonte: IG TECNOLOGIA

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

TECNOLOGIA

Celular roubado: saiba como se proteger antes e depois do incidente

Published

on

Veja o que fazer antes e depois de ter o celular roubado
Unsplash/Jenny Ueberberg

Veja o que fazer antes e depois de ter o celular roubado

Atualmente, os roubos de celulares preocupam os usuários não apenas por conta do prejuízo financeiro relacionado ao valor do aparelho, mas também devido às perdas que o acesso a aplicativos bancários e dados pessoais podem causar.

Diante disso, é importante ter algumas proteções no smartphone para evitar prejuízos maiores, assim como saber o que fazer imediatamente após ter o dispositivo roubado.

Claudio Martinelli, diretor-executivo da empresa de cibersegurança Kaspersky na América Latina, teve seu celular roubado, mas não teve prejuízos financeiros além do valor do dispositivo. Isso aconteceu porque ele tomou atitudes rapidamente, impedindo a ação dos criminosos.

“Obviamente, não é uma experiência fácil, mesmo para alguém que trabalha combatendo o cibercrime como eu”, comenta Claudio. “Qualquer roubo criará um grande estresse e é comum ficar surpreso inicialmente, mas tenha em mente que o bandido irá agir rápido, e cabe a você ser mais ágil que ele. Saiba que é possível mitigar as perdas, mas é necessário tomar medidas certas. Uma boa segurança física e digital sempre terá ações preventivas, imediatas e de longo prazo”, orienta o especialista.

A seguir, confira algumas medidas preventivas, para adotar desde já em seu smartphone, e outras que devem ser realizadas imediatamente após um eventual roubo.

Leia Também:  Deputados aprovam regime de urgência para quatro projetos; acompanhe

Como proteger seu celular

  • Bloqueie aplicativos com mais uma senha além do login. Para isso, há opções nativas no Android e no iOS, além de apps específicos para isso. É importante proteger programas bancários e de consumo, como delivery e lojas online.

  • Tome cuidado na hora de liberar o acesso a apps bancários apenas com a biometria. O que acontece é que o criminoso adiciona uma nova biometria e passa a usar as senhas salvas no dispositivo livremente. Para evitar isso, é importante ativar uma proteção por senha do sistema, sempre que uma nova biometria for criada.

  • Tenha uma solução antirroubo instalada em seu smartphone.

  • Confira os atalhos para entrar em contato com sua operadora de telefonia e com seus bancos. Assim, se você for roubado, já saberá como contatar os canais rapidamente.

Fui roubado, e agora?

  • Imediatamente após o roubo, é importante ligar para a operadora de telefonia e pedir o bloqueio do cartão SIM e do IMEI. Isso impedirá o ladrão de receber SMS com os códigos para recuperação de senhas nos serviços online e de se conectar à internet.

  • Em seguida, bloqueie seu celular através de sistema antirroubo previamente instalado. Eles permitem bloqueio, localização e até a limpeza dos dados do dispositivo de maneira remota.

  • Ligue para todos os seus bancos para notificar que o smartphone foi roubado e peça o bloqueio de qualquer transação feito por este dispositivo.

Leia Também:  Grave acidente deixa cinco feridos na estrada de Sena, quatro da mesma família

Isso é suficiente?

Depois de tomar as ações imediatas, é importante ficar de olho em possíveis golpes no longo prazo, que vão além do roubo de credenciais bancárias, já que os celulares também podem revelar informações pessoais como CPF, RG e senhas.

“Os celulares são também uma ferramenta de verificação da nossa identidade no mundo digital. Com essas informações, os bandidos podem tentar realizar empréstimos bancários ou abrir contas falsas”, comenta Claudio.

Por isso, uma boa dica é acessar o  serviço Registrato , do Banco Central, que permite ver informações bancárias ligadas ao seu CPF. Se uma conta for aberta em seu nome ou se um empréstimo for feito, por exemplo, é possível saber através desse sistema.

Por fim, após o roubo também é possível recuperar suas informações salvas em sistemas oficiais do Google e da Apple. Para isso, é importante sempre manter o backup em dia.


Fonte: IG TECNOLOGIA

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI