SAÚDE

Portugal confirma 5 casos de ‘varíola dos macacos’ e preocupa Europa

Published

on

source
Vírus da 'varíola dos macacos'
Centro de Controle de Doenças/Divulgação

Vírus da ‘varíola dos macacos’

A Direção-Geral da Saúde (DGS) de Portugal informou nesta quarta-feira que identificou cinco casos de pessoas diagnosticadas com o vírus da varíola dos macacos (monkeypox, em inglês). As autoridades de saúde da Espanha também afirmaram que estão testando oito casos suspeitos da doença. Nesta segunda-feira, o Reino Unido fez um alerta à Organização Mundial de Saúde (OMS) depois que os números de diagnósticos chegaram a sete na região. Ao todo, são 12 contaminados na Europa.

Os portugueses diagnosticados com a varíola apresentaram lesões na pele, estão estáveis e são todos homens que vivem na região de Lisboa e do Vale do Tejo. De acordo com a DGS, mais de 20 casos estavam em análise, dos quais cinco foram confirmados.

“Foram identificados, neste mês de maio, mais de 20 casos suspeitos de infeção pelo vírus Monkeypox, todos na região de Lisboa e Vale do Tejo, cinco dos quais já confirmados pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, esta quarta-feira, dia 18. Os casos, na maioria jovens, e todos do sexo masculino, estão estáveis, apresentando lesões ulcerativas”, afirma o comunicado da autoridade de saúde de Portugal.

Segundo informações da Agência de Segurança Sanitária do Reino Unido (UKHSA), a doença é rara, e os infectados costumam se curar em questão de semanas. No entanto, os países europeus passaram a monitorar possíveis surtos desde que o primeiro caso foi identificado pela agência britânica, no dia 7 de maio, do vírus que não é comum no continente.

Leia Também:  Varíola dos macacos: ONU alerta para linguagem racista e homofóbica

Nesta segunda-feira, foi informado pela agência de saúde britânica que os quatro novos contaminados no Reino Unido se identificaram como gays, bissexuais ou outros homens que fazem sexo com homens. A nova informação levou a UKHSA a pedir que esses grupos estejam alertas para quaisquer erupções ou lesões incomuns na pele e, se for o caso, procurem imediatamente atendimento médico. O Ministério da Saúde espanhol e a DGS de Portugal não divulgaram qualquer informação sobre a orientação sexual dos infectados.

“Isso é raro e incomum. A UKHSA está investigando rapidamente a fonte dessas infecções porque as evidências sugerem que pode haver transmissão do vírus da varíola dos macacos na comunidade, espalhado por contato próximo”, afirmou a consultora média chefe da agência britânica, Susan Hopkins, em comunicado.

Após o alerta, a OMS anunciou, nesta terça-feira, que quer esclarecer os casos de varíola do macaco detectados na Europa. Com exceção do primeiro infectado, que havia viajado recentemente para a Nigéria, onde a doença é endêmica, os demais casos do Reino Unido foram contaminados na região, reforçando receios de transmissão comunitária. A organização ressaltou o alerta de que homens que têm relações sexuais com homens devem estar atentos aos sinais da doença.

Leia Também:  Covid: Rio Branco tem aumento nos casos confirmados no público feminino

“Estamos vendo transmissões entre homens que têm relações sexuais com homens, uma nova informação que devemos estudar adequadamente para compreender melhor a dinâmica (do contágio)”, disse o diretor-geral adjunto da Organização Mundial da Saúde (OMS) para intervenções de emergência, Ibrahima Socé Fall.

A varíola do macaco é uma infecção viral rara semelhante à varíola humana, embora mais leve, registrada pela primeira vez na República Democrática do Congo na década de 1970. O número de casos na África Ocidental aumentou na última década.

Os sintomas incluem febre, dores de cabeça e erupções cutâneas que começam no rosto e se espalham para o resto do corpo. Não é particularmente grave entre pessoas, afirmam as autoridades de saúde espanholas, e a maioria dos contaminados se recupera em algumas semanas. Porém, alguns casos graves têm sido relatados.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

SAÚDE

Gravidez ectópica: principal causa de mortalidade materna na gestação

Published

on

source
Apesar de ser uma condição pouco frequente, ocorre em cerca de 2% das gestações
Pixabay

Apesar de ser uma condição pouco frequente, ocorre em cerca de 2% das gestações

Em uma gestação natural, o óvulo e o espermatozoide se encontram e se combinam dentro de uma das tubas uterinas. O óvulo fecundado se desloca então pela tuba até o útero, onde se implanta no revestimento uterino e cresce até ser retirado após nove meses.

Entretanto, às vezes, o óvulo fecundado não chega ao útero e permanece na tuba, ou em um ovário, no colo do útero, no abdômen, ou até mesmo em cicatrizes de cesarianas anteriores ou outras cirurgias. Essas anomalias no processo de gestação são chamadas de gravidez ectópica.

Apesar de ser uma condição pouco frequente, ocorrendo em cerca de 2% das gestações, ela é a principal causa de mortalidade materna no primeiro trimestre de gestação. Cerca de 90% das gestações ectópicas são tubárias, ou seja, que ocorrem nas tubas, o que acaba resultando em um perigo ainda maior para a mulher.

O embrião implantando continua crescendo na estreita tuba uterina. Depois de três semanas o tamanho do embrião é o suficiente para causar uma pressão por dentro da tuba, capaz de rompê-la, resultando em uma hemorragia que pode ser fatal se não for tratada com cirurgia.

Leia Também:  4 mitos e verdades sobre o uso do mel

Os principais sintomas enquanto o embrião cresce na tuba são dores abdominais unilaterais, sangramento vaginal e desmaios. Quando há o rompimento, os sinais se intensificam: a paciente sente uma dor aguda ou dilacerante em um lado do abdômen, perto da virilha, e apresenta queda da pressão arterial e outros sintomas de choque.

As mulheres que têm mais risco de gravidez ectópica são aquelas que já passaram por uma anteriormente, mas também há uma grande possibilidade naquelas com infecções pélvicas ou cirurgias uterinas prévias. A fertilização in vitro também aumenta as chances de se ter uma gravidez ectópica. Entretanto, em metade dos casos, as mulheres eram saudáveis e não possuíam nenhum fator de risco.

O tratamento para este tipo de alteração também vai depender do histórico de saúde da grávida e os riscos de uma possível ruptura do tubo uterino. Geralmente, as mulheres saudáveis recebem uma injeção de metotrexato, que é também usado para tratar certos tipos de câncer e distúrbios autoimunes e dificulta a formação de DNA ou a multiplicação das células. Com este medicamento, o embrião para de crescer, e o organismo acaba por reabsorvê-lo.

Caso haja o rompimento da tuba, a gestante precisa passar por uma cirurgia de emergência, onde é retirado o embrião. Nos dois casos, tanto com a cirurgia ou com a injeção, o processo de gestação é interrompido, o que faz muitas pessoas acreditarem ser um aborto.

Entretanto, com ou sem intervenção, gestações ectópicas não sobrevivem além dos primeiros meses. Dificilmente um óvulo fecundado sobrevive por muito tempo fora do óvulo, visto que outras estruturas do corpo não são capazes de proteger ou nutrir um embrião.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

RIO BRANCO

POLÍTICA

POLÍCIA

ACRE AGORA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI